Brasil

AS VOZES DO MDB-PB: correntes internas divergem e aguardam decisão de Veneziano para 2022

Apesar do significativo recuo que ocorreu na última semana em relação à rota de coalisão entre o senador Veneziano Vital do Rêgo (MDB) e o governador João Azevêdo (Cidadania), as diferentes vozes e correntes internas da sigla ainda aguardam um desfecho sobre eventual rompimento entre os dois agrupamentos políticos com vistas para 2022.

Na prática, apesar do esfriamento no clima de animosidade, os movimentos anteriormente criados com o episódio em que a secretária Ana Cláudia Vital abandonou uma solenidade em Campina Grande supostamente por não ter sido chamada para compor a mesa institucional, ainda precisam ser ‘terminados’.

Depois do episódio, a secretária Ana Cláudia Vital não fez declarações públicas, e o senador Veneziano Vital do Rêgo afirmou que há 5 meses não tem um encontro político com o governador João Azevêdo. Os gestos que estão porvir, portanto, darão o tom sobre a possível manutenção da aliança.

Enquanto isso, porém, as correntes do MDB se dividem, em torno do senador Veneziano, tentando-o convencer sobre o melhor caminho para 2022. O presidente do partido em João Pessoa, continua a defender a tese de candidatura própria do partido, sendo Veneziano o nome ao Governo do Estado.

“Eu, pessoalmente, defendo o nome do companheiro e amigo Veneziano, vice-presidente do Senado Federal, presidente do MDB estadual e vice-presidente do Senado, defendo o nome dele, um nome para ganhar a eleição”, disse recentemente. O parlamentar chegou a defender uma tese de aliança entre o emedebista e o ex-senador Cássio Cunha Lima (PSDB) pela oposições.

A tese de candidatura própria, se vier a ser concretizada, terá o apoio da direção nacional. A garantia é do senador Eduardo Braga, líder do partido no Senado, que concedeu entrevista na última semana à Rádio Arapuan FM.  “Veneziano é uma liderança nacional do MDB, com grande repercussão na Paraíba, de família tradicional paraibana, irmão de Vital do Rêgo (conselheiro do Tribunal de Contas da União), filho de Dona Nilda e seu pai tem um legado importante na história da Paraíba”, lembrou.

Defendem a aliança 

Por outro lado, o deputado estadual Raniery Paulino (MDB) e seu pai, o secretário de governo Roberto Paulino, ex-governador, defendem a aliança de Veneziano com João Azevêdo. Ele disse à Arapuan FM, recentemente, que “acredita num desfecho positivo” para o imbróglio entre os dois grupos, e acenou com uma bandeira branca para Mikika Leitão.

“Isso é um pensamento, mas eu conheço Mikika. Ele é um grande companheiro, que com certeza, a exemplo do deputado Felipe [Leitão], que é seu filho, eles estarão juntos no nosso palanque em 2022”, avaliou. No meio de todas as correntes está o senador Veneziano Vital do Rêgo, que apesar de todos os apelos divergentes, tem dito que vai tomar decisões baseadas no ‘fortalecimento’ do MDB em 2022. Qual das vozes do partido convencerá o senador paraibano?