Vida

Soterrados pela neve, animais morrem durante nevascas na Patagônia

Soterrados pela neve, animais morrem durante nevascas na Patagônia
Divulgação

O inverno mais rigoroso já enfrentado pela Patagônia Argentina tem custado muito caro aos animais, que estão morrendo soterrados na neve.

Tutores de animais se esforçaram para resgatá-los nas províncias de Rio Negro, Chubut e Santa Cruz. Com frio e medo, esses animais costumam se refugiar em arbustos, onde esperam a tempestade passar. No entanto, as nevascas deste ano estão tão intensas que eles não têm conseguido fugir delas.

Além de vacas e ovelhas, os guanacos, animais que vivem nas montanhas da América do Sul e são típicos da Patagônia, também estão morrendo congelados.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Nevascas registradas desde o final de junho já levaram ao acúmulo de 1,5 metro de neve na superfície, com temperaturas de até -20 graus. Uma imagem de satélite da NASA, feita em 26 de junho, mostra uma grande quantidade de neve que vai da Cordilheira dos Andes, no Chile, até a Argentina.

Por conta desse cenário, o governo de Rio Negro declarou estado de emergência em 6 departamentos gravemente afetados pelas tempestades. São eles: Bariloche, 9 de Julho, 25 de Maio, El Cuy, Ñorquinco e Pilcaniyeu.

As Confederações Rurais Argentina (CRA) publicaram nota por meio da qual alertaram que “o retorno dos invernos rigorosos da Patagônia revela as terríveis condições de infraestrutura que dominam na região: rotas, estradas, esgotos, serviços de comunicação telefônica e internet, gás, eletricidade, que desmoronam diante do fenômeno e complicam a tentativa de resgate de moradores, famílias, trabalhadores e produtores, bem como as perdas das propriedades que desencadeará em um processo de deterioração que será agravado nas próximas semanas”.

Moradores da Patagônia Argentina afirmam que esse é o inverno mais rigoroso dos últimos 20 anos.

Confira vídeos que mostram o sofrimento dos animais na neve: