Vida

Novo documentário expõe a crueldade da indústria que explora cães em corridas de trenó

Redação ANDA – Agência de Notícias de Direitos Animais

Sled Dogs/Fran Levitt)

Sled Dogs/Fran Levitt)

Um novo documentário canadense – “Sled Dogs” (Cães de trenó) – expõe a crueldade das corridas perturbadoras que exploram cães obrigados a carregar trenós e percorrer círculos intermináveis durante extremas condições climáticas.

Os manipuladores de cães argumentam que o filme – que é pontuado pelo ruído assombroso de uma corrente em atrito com um cão – é uma acusação injusta da prática glorificada e considerada icônica. Alguns têm exigido que o filme seja retirado do festival de Whistler antes de estrear no dia três de dezembro.

A diretora premiada Fern Levitt, disse que sua paixão por cães usados para carregar trenós começou em 2010 no norte de Ontário, onde viu centenas de cães acorrentados e soube que 30 deles estavam prestes a ser mortos.

“Eu simplesmente não conseguia me afastar. Fiquei absolutamente chocada, para mim parecia um campo de concentração de cães. A maioria dos canadenses não tem ideia do que acontece nas operações de trenó”, disse Levitt.

Sled Dogs/Fran Levitt)

Sled Dogs/Fran Levitt)

A experiência chocou Levitt e o assassinato de 100 cães em Whistler, quando a indústria desacelerou após os Jogos Olímpicos de 2010, fez com que ela entrasse em ação.

Levitt ficou horrorizada após descobrir que os regulamentos não foram alterados e a matança era permitida. Além disso, havia orientações sobre formas “humanas” de atirar nos cães indesejados. “Acho que queremos acreditar no mito de que esses cães são diferentes, mas eles são como qualquer outro cão e têm as mesmas necessidades” disse.

Ela adotou um cão explorado por esta indústria covarde. O cão chamado Slater estava nervoso, com medo do toque humano e só sobreviveu por mais três anos após ter passado os nove anos anteriores acorrentado, segundo ela.

“Não acredito que a maioria dos canadenses sabe que você pode legalmente manter um cão acorrentado durante toda a sua vida. Eu não fazia ideia de que é permitido atirar em um cão”, explicou.

Fama e dinheiro

Levitt espera que seu filme ajude a provocar mudanças na legislação canadense. Os trailers do filme já despertaram o debate sobre esta crueldade.

“As pessoas precisam saber como esses cães são realmente tratados”, comentou Ashley Keith, uma ativista do Colorado da Sled Dog Action Coalition, em meio a outros comentários na internet sobre o trailer.

“Estive envolvida em esportes de trenó desde 1998 e estou muito feliz de que há finalmente um filme que fará pelos cães de trenó o que “Blackfish” fez pelas baleias orcas”, acrescentou.

Sled Dogs/Fran Levitt)

Sled Dogs/Fran Levitt)

Uma das cenas do filme mostra uma pilha de cães mortos e abandonados por um criador do Alasca, que foi descrito em um tribunal dos EUA como um colecionador.

“Sled Dogs” também mostra a vida de um cão explorado para corridas em Iditarod, onde alguns animais são retirados da competição devido ao estresse, lesões ou úlceras hemorrágicas. Ao longo dos anos, pelo menos 140 cães morreram na corrida. Levitt disse que seu filme reflete o que ela descobriu: “Fui procurar a verdade”.

O filme também segue um homem sensível de Iditarod que luta para massagear e cuidar de cães prejudicados pela corrida angustiante e gelada, segundo a CBC.

A diretora entrevistou um manipulador de longa data, que descreve o tratamento sádico imposto aos cães, alguns dos quais foram espancados ou assassinados nos bastidores porque não conseguiam correr.

“Entrevistei aqueles que são a favor da indústria e aqueles que se opõem a ela. Caberá ao público decidir seu posicionamento”, disse Levitt.

No filme, ativistas como o ex-manipulador Mike Crawford dizem que cães de trenó são sacrificados pela glória: “Eles fazem isso pela fama e pelo dinheiro”, declarou.

Nota da Redação: