Vida

Mulher posta vídeo confessando ter matado filhote de cachorro enforcado

Mulher posta vídeo confessando ter matado filhote de cachorro enforcado

Uma mulher confessou, através de um vídeo (confira abaixo) publicado por ela em rede social, ter matado por enforcamento um filhote de cachorro. Darla Ester Farina, de São Paulo, disse que matou o animal porque ele não se comportava.

Darla e Duque (Foto: Reprodução/Facebook/Darla Ester Farina)

Segundo ela, o cachorro havia destruído objetos em sua casa, atrapalhava o outro animal da família a se alimentar e fez xixi em seu colchão – comportamentos típicos de um filhote, que é destrutivo como maneira de eliminar energia, para se distrair e brincar. “Estava me dando prejuízo, ele fazia xixi no colchão, colchão é caro”, disse Darla, no vídeo.

Em um determinado momento da filmagem, ela disse também que enforcou o animal porque o canil estava fechado por conta do coronavírus, impedindo que ela tentasse sacrificá-lo através de injeção letal. Afirmou ainda que optou pelo enforcamento “porque não tem veneno aqui em casa”.

Apesar de toda a crueldade confessada por ela, Darla disse repetidas vezes que não cometeu crime ou foi cruel com o animal. “Eu não maltratei este cachorro, ele quase não apanhou”, disse. “Eu canto para os cachorros, eles foram tratados com amor e carinho, mas o Duque era impossível, eu não suportava mais este cachorro, então eu sacrifiquei”, completou.

Duque brincando com Tobby (Foto: Reprodução/Facebook/Darla Ester Farina)

Ela reclamou ainda das pessoas que fizeram críticas ao seu ato e pediu que seu outro cachorro, Tobby, fosse devolvido. Segundo ela, um vizinho teria retirado o cachorro da casa dela após acusá-la de maus-tratos.

“Eu posso ter cachorro, o problema não é o cachorro, era o Duque, ele não era um bom cachorro”, afirmou Darla, que ainda exigiu que Tobby fosse devolvido. “Eles têm 24 horas para devolver este cachorro, senão vou fazer boletim de ocorrência. São pessoas que me difamaram, vão ser processadas por calúnia e difamação”, afirmou.

Duque foi morto por estrangulamento (Foto: Reprodução/Facebook/Darla Ester Farina)

“O que eu fiz não foi crime. A gente não precisa de autorização pra sacrificar animal. Se o animal tem o comportamento do Duque, nós temos autorização para sacrificar. A unica diferença é que ele não recebeu injeção na veia. Porque se ele tivesse ido no veterinário, ele teria tomado injeção letal”, acrescentou.

Em outro vídeo, divulgado pelo perfil Perícia Criminal Animal, no Instagram, Darla aparece dizendo que não torturou o animal. “Fiz um sacrifício limpo, não bati no cachorro, não torturei o cachorro, eu enforquei, que é o que é mais parecido com a injeção letal. Esse cachorro não sofreu muito tempo pra morrer”, disse.