Vida

Mercados na Indonésia continuam a vender répteis, coelhos e aves em gaiolas sujas

Mercados na Indonésia continuam a vender répteis, coelhos e aves em gaiolas sujas
Pixabay

Mercados que vendem animais na Indonésia continuam a funcionar normalmente sem nenhuma fiscalização ou norma sanitária. Enquanto as cidades chinesas de Wuhan, Jiangxi e Hunan proíbem a prática e oferecem compensação financeira para comerciantes que querem mudar de investimentos, uma mercado em Bali expõe a terrível crueldade a que esses animais são submetidos para o consumo humano.

Uma investigação feita pela PETA mostra animais mantidos em gaiolas minusculas e completamente imundas repletas de fezes, urina e sangue. No local é possível encontrar à venda pássaros, répteis, coelhos e cães. Animais mortos são mantidos no mesmo local que animais ainda vivos que apenas esperam dolorosamente que o seu momento chegue. Diversas espécies são mantidas em espaços pequenos.

Lagartos e espécies aquáticas podem ser encontrados em aquários com água pútrida. Coelhos, gatos e pássaros presos em pequenos recintos são empilhados uns em cima dos outros. Há filhotes e adultos misturados, além de muitos animais doentes. Apesar das medidas de restrição social impostas pelo governo e da queda do turismo no país, ainda há demanda interna suficiente para a movimentação dos mercados.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

A organização em defesa dos direitos animais PETA afirma que o governo indonésio nada faz para impedir a venda de animais silvestres e tampouco se preccupa com questões sanitárias e de segurança alimentar. A ONG denuncia que além das espécies tradicionalmente encontradas em mercados úmidos, também é possível encontrar espécies exóticas e protegidas como linces, lontras e águias.

Uma coalizão de grupos em defesa dos animais e do meio ambiente enviou uma carta ao presidente da Indonésia, Joko Widodo, alertando-o sobre os riscos do comércio e consumo de espécies silvestres. Até o momento não houve posicionamento oficial do país. Estima-se que há mais de 20 mil pessoas infectadas na Indonésia e o número deve subir nos próximos dias.