Vida

Mais de 50 ursos polares famintos procuram por comida em aldeia russa

Mais de 50 ursos polares famintos procuram por comida em aldeia russa
Maxim Deminov/The Siberian Times
Maxim Deminov/The Siberian Times

Uma aldeia russa recebeu a visita inesperada de 56 ursos polares famintos que, ao não encontrem alimento em seu habitat natural, se reuniram nos arredores do agrupamento humano remoto, atraídos pelo cheiro.

Imagens e filmagens notáveis mostram como a aldeia de Ryrkaypiy está agora em um “bloqueio virtual” devido à presença dos enormes e belos animais.

Todos os eventos públicos foram cancelados para evitar conflitos entre humanos e animais, e as crianças foram acompanhadas pelas autoridades quando iam e vinham do jardim de infância e da escola.

Patrulhas especiais designadas para acompanhar os animais, sem ferí-los, estão tentando impedir que os ursos “famintos” entrem em áreas residenciais.

Até agora, a presença dos animais se concentra nos arredores da vila – que tem uma população de 766 habitantes – e fica na região mais oriental da Rússia, em Chuktoka, onde os animais se alimentam de corpos de focas no Cabo Kozhevnkov, segundo relatos.

Ambientalistas e moradores disseram que o gelo ártico frágil e ralo deixou os ursos incapazes de andar sobre suas plataformas. A filial russa da ONG WWF ou World Wildlife Fund (Fundo Mundial da Vida Selvagem) disse que a mudança climática é responsável pelo fato, já que temperaturas incomumente quentes impediram a formação de gelo costeiro, como é comum para a época.

Maxim Deminov/The Siberian Times
Maxim Deminov/The Siberian Times

O WWF está preocupado com o fato dos ursos poderem entrar na vila, lar de menos de 1.000 pessoas, e patrulhas foram criadas para monitorar seus movimentos sem ferí-los.

É o segundo ano em que a vila enfrenta dezenas de ursos polares a sua porta, mas os habitantes locais dizem que este ano há mais ursos do que nunca.

“Quase todos os ursos polares são magros”, disse Tatyana Minenko, chefe da Patrulha do Urso Polar da WWF em Ryrkaipiy.

Maxim Deminov/The Siberian Times
Maxim Deminov/The Siberian Times

“Existem ursos adultos, adolescentes e ursos mãe com filhotes de diferentes idades.”

A vila fica perto de uma rota de migração de ursos e os guardas florestais estão usando trenós móveis e veículos para desencorajar os animais de se aproximarem das casas.

Os moradores também haviam reunido cadáveres de morsas na área para alimentar os animais famintos e dessa forma, tentar impedir que os ursos vagassem pela vila.

Maxim Deminov/The Siberian Times
Maxim Deminov/The Siberian Times

“O número de encontros humanos e animais de grande porte no Ártico está aumentando”, afirmou o WWF em comunicado.

“O principal motivo é o declínio da área de gelo marinho devido às mudanças climáticas. Na ausência de cobertura de gelo, os animais são obrigados a sair em busca de comida”.

Minenko e sua colega Maksim Deminov estão trabalhando 24 horas por dia para impedir confrontos entre ursos e pessoas.

Maxim Deminov/The Siberian Times
Maxim Deminov/The Siberian Times

“Criamos um ponto de alimentação com corpos de morsa que reunimos ao longo da costa”, disse Minenko à agência de notícias RIA Novosti.

“Enquanto não houver um grande congelamento de água, o gelo do mar não se formará e os ursos permanecerão na costa”, disse ela.

É ilegal na Rússia atirar em ursos polares, mas os guardas estão prontos para usar balas de borracha para evitar conflitos.

Maxim Deminov/The Siberian Times
Maxim Deminov/The Siberian Times

“Há guardas de plantão perto do jardim de infância e da escola local”, relatou o The Siberian Times.

“Todos os eventos públicos, como a preparação para shows de fim de ano, ensaios e reuniões locais, foram cancelados durante a presença dos ursos”.

“As crianças são levadas para a escola e jardim de infância e voltam para casa em ônibus reservado apenas para isso”.

Maxim Deminov/The Siberian Times
Maxim Deminov/The Siberian Times

Os habitantes locais dizem que o clima de inverno anormalmente ameno levou à invasão de ursos polares, pois o mar não congelou apesar das temperaturas abaixo de zero.

Em vez de caçar peixes, os ursos comem corpos de focas deixadas no outono.

No ano passado, militares do exército limparam a costa da vila dos corpos de focas mortas e são esses agora de que os ursos estão se alimentando.

A vila de Ryrkaypiy, em Chukotka, fica perto de uma rota de migração de ursos e o clima de inverno anormalmente ameno levou os ursos a invadir devido à falta de gelo marinho | Tatiana Mineko/The Siberian Times
A vila de Ryrkaypiy, em Chukotka, fica perto de uma rota de migração de ursos e o clima de inverno anormalmente ameno levou os ursos a invadir devido à falta de gelo marinho | Tatiana Mineko/The Siberian Times

O serviço meteorológico da Rússia disse que as temperaturas na região devem cair e que o gelo costeiro deve congelar até 11 de dezembro.

Os ursos polares visitam regularmente áreas habitadas por seres humanos na Rússia no Ártico, em busca de comida, atraídos pelo cheiro e, geralmente, revirando lixo.

Mas o número de visitas vem crescendo à medida que o derretimento do gelo do Ártico vem aumentando devido às mudanças climáticas, o que obriga os ursos a passar mais tempo em terra onde competem por comida.