Vida

Mais de 200 elefantes morrem no Zimbábue devido à seca

Elefantes e girafas andam perto de uma carcaça de elefante no parque nacional de Hwange, no Zimbábue | Foto: Philimon Bulawayo/Reuters

Centenas de elefantes e dezenas de leões no Zimbábue serão transportados pelo departamento de vida selvagem do país como parte de uma grande operação para salvar os animais de uma seca devastadora e sem precedentes.

Mais de 200 elefantes morreram nos últimos dois meses devido à falta de água nas principais zonas de conservação do país, nas piscinas de Mana e no Parque Nacional de Hwange.

Moradores da Vila de Jutshume, perto do Parque Nacional Hwange, compartilharam um vídeo de um filhote de elefante que caiu em um poço no mês passado, depois de procurar desesperadamente por água. Os moradores conseguiram resgatar o bebê, que após salvo fugiu para a selva, mas acreditam que sua perna foi quebrada no processo.

Um segundo elefante adulto, que desmaiou perto da vila, foi alimentado pelos moradores até que estivesse forte o suficiente para andar.

Um elefante morto no Parque Nacional de Hwange, Zimbábue, 10 de novembro de 2019 | Foto: AP
Elefante morto no Parque Nacional de Hwange, Zimbábue, 10 de novembro de 2019 | Foto: AP

Os animais que vivem próximos a Vila de Jutshume, na fronteira com Botsuana, costumavam beber da represa de Maitengwe, conhecida localmente como Mabhongane ou “leão que ruge”. Mas o muro da barragem desabou em 2005 e não foi reparado, deixando trechos enormes de terra árida.

O departamento responsável pela vida selvagem do país planeja transportar 600 elefantes, dois grupos de leões, um bando de cães selvagens, 50 búfalos, 40 girafas e 2 mil impalas, de acordo com relatórios da Agence France-Presse.

O porta-voz da autoridade de parques e vida selvagem, Tinashe Farawo, disse à AFP que a operação começará durante a estação chuvosa, quando as pastagens florescerem, geralmente por volta de meados de novembro. Farawo descreveu a missão como “a maior translocação da história do país”.

Os animais serão transferidos do Savé Valley Conservancy, um grande parque no sudeste do Zimbábue, para outras três reservas no norte do país.

Manada de elefantes atravessa o Parque Nacional de Hwange, Zimbábue, em busca de água | Foto: AP
Manada de elefantes atravessa o Parque Nacional de Hwange, Zimbábue, em busca de água | Foto: AP

Especialistas em conservação alertaram que o país pode perder mais elefantes devido à seca se não houver chuvas suficientes nesta temporada.

Uma seca recente deixou mais de cinco milhões de zimbabuenses que vivem na zona rural, quase um terço da população, em risco de escassez de alimentos antes da próxima colheita em 2020, segundo a ONU.

O Zimbábue tem 85 mil elefantes, mas os parques nacionais e áreas de conservação do país só conseguem lidar com 55 mil. As pastagens e a água esgotaram-se rapidamente, pois o país está passando por sua pior seca em anos.

Charles Jonga, diretor da Campfire, uma organização líder em conservação, diz que a seca induzida pelo El Niño piorou a já terrível situação da água nos parques do país.

Farawo disse que a agência de vida selvagem precisa urgentemente de equipamentos de bombeamento de água para salvar os elefantes. “Precisamos desesperadamente de recursos para fornecer água. Estamos esperando desesperadamente as chuvas”.

Ativistas pelos direitos animais doaram fardos de feno para elefantes, numa tentativa de salvar as populações do maior mamífero terrestre do mundo.

Muitos animais desesperados estão se afastando dos parques do Zimbábue para comunidades próximas em busca de comida e água, situação que aumentou o conflito entre humanos e animais selvagens.

Nos últimos cinco anos, 200 pessoas morreram em conflitos com animais.

Autoridades tentaram resgatar este búfalo, mas sua fraqueza o tornou vulnerável a um ataque de leão. | Foto: AP: Tsvangirayi Mukwazhi
Autoridades tentaram resgatar este búfalo, mas sua fraqueza o tornou vulnerável a um ataque de leão. | Foto: AP: Tsvangirayi Mukwazhi

“É provável que ainda mais elefantes morram, principalmente se as chuvas estiverem atrasadas. O mundo deve saber que Hwange depende de água subterrânea e nunca foi fácil manter esse parque superpovoado”, disse Jonga.

O Zimbábue e outras nações do sul da África têm lutado pelo relaxamento dos termos relacionados ao comércio da vida selvagem.

Mas o novo apelo do Zimbábue, Botsuana e Namíbia para suspender medidas restritivas ao comércio de marfim bruto foi rejeitado em uma conferência realizada pela Cites (Convention on International Trade in Endangered Species of Wild Fauna and Flora), o órgão de vigilância, em agosto deste ano. As cidades proíbem o comércio não regulamentado de espécies ameaçadas de extinção em todo o mundo.