Vida

Homem em situação de rua nega oferta de R$ 2 mil para vender seu cão: 'ele é minha família'

Homem em situação de rua nega oferta de R$ 2 mil para vender seu cão: 'ele é minha família'
Foto: Arquivo Pessoal / Andrea Grosso

Luiz Fernando Gomes de Araújo, que vive em situação de rua em Santos, no litoral de São Paulo, descobriu o que é um amor verdadeiro, daqueles que o dinheiro não é capaz de comprar. E quem o mostrou esse sentimento sublime foi Joe, seu cachorro.

Apesar das dificuldades que enfrenta, Luiz não aceitou uma proposta para vender o cachorro por R$ 2 mil. Isso porque o animal é sua família, e família não se vende.

O animal vive com Luiz há seis anos. Foi encontrado por ele no porto de São Sebastião após ser abandonado por uma mulher. Atualmente, os dois moram nas ruas do bairro Marapé.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

“O pessoal daquela região contou que ele morava em um apartamento e que a tutora não podia mais ficar com ele. Como não achou quem adotasse, soltou o bichinho lá e eu achei. Ele não tinha um pedaço da orelha e estava com carrapatos, mas eu tratei ele”, contou.

Além de ser muito amado, Joe é bem cuidado. “Levo para passear de coleira, dou banho no chuveirinho da praia. Ele tem o sabonete dele. Tinha pasta e escova de dente também, mas roubaram. Vai ao veterinário quando precisa”, contou. Segundo ele, o animal é atendido gratuitamente por uma clínica veterinária. “Ele tem a ração dele, mas prefere arroz com carne na hora do almoço. É metido”, afirmou.

Foto: Arquivo Pessoal / Andrea Grosso

Uma dos maiores medos de Luiz é ter seu cão levado por alguém. Justamente por isso negou a oferta de R$ 2 mil. “Depois, uma mulher perguntou se eu queria um valor maior, que ela pagava. Não vendo esse cachorro por nada, ele é a minha família. Onde ele for eu vou, porque é ele quem me puxa”, disse.

O objetivo de Luiz é conseguir um emprego para ter condições de sair das ruas e oferecer uma vida melhor ao cão.

“Tudo o que eu mais quero é ter um teto só nosso. Aí não vou precisar acordar preocupado com ele e com as minhas coisas”, concluiu.