Vida

Coronavírus não desacelera rotina nos matadouros

Coronavírus não desacelera rotina nos matadouros

Embora o coronavírus tenha estimulado medidas de paralisação de inúmeros serviços em diversas partes do Brasil, por enquanto o vírus não desacelerou a rotina nos matadouros e em outros setores da indústria da carne.

(Foto: Terry Pierson/The Press-Enterprise/SCNG/Toronto Pig Save/Charles McQuillan/Getty)

Na semana passada, a BRF, uma das maiores indústrias de processamento de carne no Brasil, informou que está operando normalmente, com o pleno funcionamento de suas instalações industriais, centros de distribuição, logística, cadeia de suprimentos e escritórios, embora alguns serviços estejam sendo realizados de forma remota em algumas de suas instalações corporativas.

JBS, considerada a maior empresa de processamento de carne do mundo, explicou que continua com operações normais nas 32 unidades de processamento de carne bovina no Brasil, assim como em outros negócios.

O frigorífico Marfrig também declarou que a situação ainda não obrigou redução ou alteração no funcionamento de suas atividades. No entanto, a 4ª Vara do Trabalho de Criciúma, em Santa Catarina, havia determinado a paralisação das atividades da JBS e Seara Alimentos a partir de sábado (21) por causa do coronavírus.

Porém, a desembargadora Maria de Lourdes Leiria, do Tribunal Regional do Trabalho da 12ª Região, interviu e autorizou a continuidade das atividades.

A Global Meat News, um dos maiores portais de notícias da indústria da carne, publicou na semana passada que, mesmo com as adversidades, o setor continua mantendo um ritmo de produção normal em países como Irlanda e Estados Unidos.

No Brasil, cerca de 490,52 milhões de frangos, porcos e bois são mortos por mês para consumo, considerando estimativas de dados trimestrais do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).