Vida

China sinaliza fim da tolerância ao consumo de carne de cachorro

China sinaliza fim da tolerância ao consumo de carne de cachorro
Agora ativistas dos direitos animais chineses, assim como a Humane Society International (HSI), esperam que a diretiva seja respeitada (Foto: Wu Hong/EPA)

No final de maio, entrou em vigor na China uma medida que pode marcar o fim da tolerância ao consumo de carne de cachorro ao excluir cães da lista de animais que podem ser consumidos no país.

Sobre o assunto, o Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais destaca que “alguns costumes envolvendo cães” devem mudar e eles devem ser vistos como “animais de companhia”.

Agora ativistas dos direitos animais chineses, assim como a Humane Society International (HSI), esperam que a diretiva seja respeitada, colocando um fim ao Festival de Lichia e Carne de Cachorro, realizado em Yulin desde 2009, onde anualmente são mortos cerca de dez mil cães.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Na China, somente os animais listados no Diretório de Recursos Genéticos de Gado e Aves Domésticas, e que já não inclui cães, podem ser criados, comercializados e transportados para fins comerciais e de consumo. A esperança agora é de que até 10 milhões de cães deixem de ser mortos por ano no país.

Costumes também mudam

Um porta-voz do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais da China disse, segundo o jornal britânico Daily Mail, que com o progresso e a conscientização humana os hábitos alimentares estão passando por grandes mudanças. “Alguns costumes sobre cães também mudam.”

É exatamente a ideia de costume que fortaleceu o consumo de carne de cachorro no país asiático ao longo dos anos. No entanto, não há como classificar o Festival de Yulin como tradicional, já que sua história se iniciou há dez anos, o que não faz do evento parte da cultura ou história chinesa, conforme corrobora uma pesquisa conduzida pela Beijing Capital Animal Welfare Association e Dalian Vshine Animal Protection Association.

O festival sempre teve finalidade comercial, uma tentativa de intensificar o consumo de carne de cachorro. Para tentar favorecer esse mercado, passaram a promover uma história de que tal consumo “traz sorte, boa saúde e melhora o desempenho sexual”.

Vale lembrar que no ano passado o movimento Nação Vegana Brasil conquistou grande atenção ao alcançar a marca de 2,3 milhões de assinaturas no site Change.org contra o festival e que foram entregues na Embaixada da China. Hoje (2), o total já ultrapassa 2,74 milhões de assinaturas.

Para contribuir com o abaixo-assinado, clique aqui.