Vida

Camboja proíbe passeios de elefantes após duas mortes por exaustão

O Camboja vai proibir os passeios de elefantes nas visitas ao templo de Angkor Wat, a maior atração turística do país, a partir de 2020. O governo respondeu a uma petição internacional – que teve mais de 14 mil assinaturas em apenas dois dias – que pediu o fim da exploração dos animais, depois de dois elefantes terem morrido de exaustão nos últimos três anos.

Mais de 2,5 milhões de turistas visitam o complexo do templo a cada ano, muitos dos quais não se inibem de fazê-lo às costas de um elefante, apesar do sofrimento do animal, que caminha ao sol durante longos períodos de tempo e altas temperaturas.

Foto: Twitter

Com a decisão do governo do Camboja, os 14 elefantes em Angkor Wat serão transferidos para um centro de conservação e reprodução até o início de 2020, confirmou o Comité do Grupo de Elefantes daquele templo.

O fim dos passeios com os animais é anunciado três anos depois de um elefante ter desmaiado e morrido de exaustão enquanto suportava dois turistas para o famoso templo. Um veterinário examinou o animal e revelou que ele morreu “devido a altas temperaturas, exaustão pelo calor e falta de vento que teria ajudado a resfriá-lo”.

Apenas dois anos depois, outro elefante morreu pelo mesmo motivo.

As mortes dos animais provocaram a indignação de pessoas de todo o mundo e, nas 48 horas seguintes à morte do segundo elefante, uma petição para acabar com os passeios conseguiu mais de 14 mil assinaturas.

Turistas ainda podem ver os elefantes no centro de conservação

Oan Kiry, diretora do Comité do Grupo de Elefantes de Angkor Wat, citado pelo jornal britânico “Metro”, disse: “No início de 2020, a nossa associação planeia acabar com a utilização de elefantes para transportar turistas. Eles vão poder ainda observar e tirar fotos com os elefantes no nosso centro de conservação e reprodução. Queremos que os elefantes vivam da maneira mais natural possível”.

O grupo ativista Moving Animals, que trabalha para aumentar a consciencialização sobre a crueldade da utilização de animais para fins turísticos, aplaudiu a decisão, dizendo que é um “grande alívio”.

Um porta-voz do grupo, citado pelo mesmo jornal, disse: “O fim dos passeios de elefante em Angkor Wat é verdadeiramente um momento decisivo que mostra que a maré está virando contra o turismo cruel da vida selvagem. Mais e mais turistas não querem pagar para ver os animais acorrentados ou em cativeiro, e as atrações onde a exploração continua precisam proibir esses passeios se quiserem manter os turistas e os amantes dos animais”.

Foto: Instagram / @stae_elephants

Acredita-se que existam ainda cerca de 70 elefantes domesticados no Camboja. Especialistas dizem que há cerca de 500 na natureza. Entre esses estão incluídos cerca de 110 elefantes que vivem no Santuário de Vida Selvagem Keo Seima e quase 200 nas Montanhas Cardamomo.

Menos elefantes selvagens no Camboja e sudeste da Ásia

O número de elefantes selvagens no Camboja e noutros países do sudeste da Ásia tem diminuído nos últimos anos devido à caça, à destruição de habitats naturais e ao conflito entre animais e pessoas, sugerem vários estudos.

“O governo está trabalhando com organizações relevantes para formular estratégias para proteger e preservar elefantes no Camboja para as gerações futuras. Para proteger efetivamente os habitats naturais de elefantes é necessário fortalecer a lei para combater a caça de animais selvagens e o uso de armadilhas”, afirmou o porta-voz do Ministério do Meio Ambiente do Camboja, Neth Pheaktra.

Pheaktra acrescentou que a consciencialização entre os agricultores locais em florestas protegidas precisa de ser maior, uma vez que eles usam produtos químicos nas plantações e atacam os elefantes quando os animais entram nos seus terrenos.

Fonte: JN


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. Doe agora.