Vida

Burguer King diz defender a natureza enquanto vende produtos que a devastam

Burguer King diz defender a natureza enquanto vende produtos que a devastam
(AP Foto/Jeff Chiu, Archivo)

O Burguer King iniciou uma campanha que supostamente tem o objetivo de defender o meio ambiente. Na prática, no entanto, a realidade é outra. A rede de “fast-food” alega que pretende reduzir as emissões de gás metano liberados pelas vacas em aproximadamente 33% ao alterar a dieta desses animais.

Essa ação, no entanto, é uma ínfima gota em um oceano de devastação ambiental. Além da redução do gás ser pequena, o Burguer King seguirá colaborando com a destruição da natureza ao explorar animais para consumo.

Os efeitos nocivos da agropecuária não se restringem aos gases liberados pelos animais e se estendem aos seus dejetos, que poluem o solo e a água; ao desmate de grandes extensões territoriais, colocando florestas abaixo para dar origem a pasto para criar os animais; e ao desperdício excessivo de água – para se ter ideia, são necessários 16 mil litros do líquido para, ao final da cadeia produtiva, fabricar um único quilo de carne, segundo pesquisa da organização Water Footprint.

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

Nas redes sociais, o Burguer King explicou que as flatulências e arrotos produzidos pelas vacas contribuem para as mudanças climáticas e que, por isso, “estamos trabalhando para mudar a dieta de nossas vacas adicionando capim-limão”.

Agropecuária é uma das principais responsáveis pelo desmate de florestas (Foto: Reuters)

“À medida que as vacas digerem sua ração, elas produzem muito metano. Esse gás de efeito estufa é liberado toda vez que as vacas arrotam e peidam o gás metano. O metano é considerado um dos principais contribuintes para o aquecimento global, tornando-o uma área-chave para buscarmos a meta do Acordo de Paris de 2016, de limitar o aquecimento global a bem abaixo de 2 °C e buscar esforços para limitá-lo a 1,5 ºC”, escreveu a rede de fast-food em publicação no Twitter.

Além de usar a questão dos gases produzidos pelos animais como uma espécie de cortina de fumaça para esconder o real problema ambiental da agropecuária, que não pode ser combatido senão pela extinção da prática de explorar animais para consumo, o Burguer King comete um equívoco, do ponto de vista ético, não só ao utilizar um discurso superficial e contraditório, mas também ao escolher perpetuar o sofrimento animal.

Os animais são parte integrante da natureza – assim como, nós, humanos, também somos. Isso revela não só a importância de preservar o meio ambiente para proteger toda forma de vida, mas também a necessidade de respeitar os animais para produzir um discurso coerente de defesa ambiental.

Não é possível defender o meio ambiente e, ao mesmo tempo, condenar animais a uma vida miserável. Não há coerência em uma rede de fast-food se dizer preocupada com o planeta enquanto não só o destrói através da agropecuária, como tira vidas de animais.