Vida

Bezerros são deixados para morrer de frio em grande fazenda leiteira

Por David Arioch

Animais que aparecem congelando até a morte na filmagem têm entre um e 150 dias de idade (Foto: Animal Equality/Divulgação)

A organização Animal Equality, que atua em defesa dos animais, publicou ontem em seu canal no YouTube um vídeo que denuncia a negligência e os maus-tratos vividos por bezerros em uma grande fazenda leiteira nos Estados Unidos.

Situada no estado do Nebraska, o vídeo mostra a dura realidade de 11 mil bezerros mantidos em pequenos espaços no Summit Calf Ranch, de propriedade da Tuls Dairies. Os animais que aparecem congelando até a morte na filmagem têm entre um e 150 dias de idade.

Para registrar essa realidade, a Animal Equality enviou um investigador que trabalhou na fazenda alimentando bezerros. “Os cascos estavam quase completamente cortados, e você podia ver o osso. [O bezerro] fica principalmente no chão, mas tenta ficar de pé mais uma ou duas vezes, o que faz com que as feridas sangrem”, informa o investigador anônimo.

Na propriedade, além de bezerros morrendo de frio, animais são vítimas de agressões com objetos e ferro quente. Outros aparecem doentes no vídeo, assim como algumas vacas já mortas, que não receberam os devidos cuidados veterinários. Há também bezerros que recebem mordidas de cães – possivelmente treinados para contê-los.

“Nossa investigação sobre o Summit Calf Ranch revela uma chocante falta de cuidados prestados aos bezerros”, criticou o diretor internacional de investigações da Animal Equality, Sean Thomas.

E acrescentou: “Nós documentamos recém-nascidos já doentes e cercados por seus companheiros de gaiolas já mortos em uma área chamada de ‘hospital’, onde eles foram deixados para sofrer por dias até morrerem.”

Em sua defesa, o proprietário da Tuls Dairies, Todd Tuls, disse que a empresa tem um forte compromisso de cuidados aos animais.

“Desde o inverno passado, os fazendeiros têm enfrentado algumas das condições climáticas mais desafiadoras em décadas. As temperaturas frias extremas e prolongadas apresentam demandas sem precedentes em operações normais. Apesar dessas circunstâncias difíceis, nossos trabalhadores estão lidando com os animais de forma que indica que eles estão atentos às suas necessidades e seguindo as diretrizes adequadas.”


Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA.