Vida

Austrália investigará maior empresa exportadora de ovelhas vivas do país

O governo do estado da Austrália Ocidental defendeu a decisão de realizar investigações na sede o maior exportador de ovelhas vivas da Austrália, a Emanuel Exports, em Perth, em meio a alegações de que a empresa pode ter comprometido uma investigação federal.

O governo do estado da Austrália Ocidental irá investigar o maior exportador de ovelhas vivas do país pois a empresa pode ter alterado licenças.

Ovelhas amontoadas sendo retiradas de um navio de exportação. Foto: Reprodução

Oficiais do departamento de agricultura do maior estado do país executaram um mandado de busca nos escritórios da Emanuel Exports. A operação é parte de uma investigação sobre as condições de uma viagem realizada em agosto do ano passado que deixou muitos animais mortos.

Essa viagem foi o motivo para a revisão do veterinário responsável por avaliar os animais, Michael McCarthy, e levou a uma série de reformas em prol do bem-estar animal. Apenas uma recomendação, que levaria a uma proibição efetiva das exportações de ovinos ao Oriente Médio durante o verão no hemisfério, norte não foi aceita.

Enquanto os escritórios da Emanuel Exports estavam sendo investigados, Ahmed Gosheh, executivo-chefe do segundo maior exportador da Austrália, Livestock Shipping Services, anunciou que não transportaria ovelhas da Austrália para o Oriente Médio durante o auge do verão deste ano.

A justificativa era a redução de 30% dos animais vendidos após a revisão de McCarthy, que Gosheh alegal ter “tornado o comércio antieconômico”

Ele também disse a um jornal local que as novas restrições aumentaram os custos em US $ 35 por ovelha.

A ministra da Agricultura de Washington, Alannah MacTiernan, disse ao The Guardian Australia que o anúncio da Livestock Shipping Service não era surpreendente. Ela comentou que duvida que o comércio retome o ritmo durante a alta temporada nos anos subsequentes.

“Acho que está bem claro que, se, e quando, o modelo de McCarthy for implementado, o comércio de verão não será viável”, disse ela.

MacTiernan disse que é possível que outros exportadores façam o mesmo, e os matadouros na Australia Ocidental poderiam “administrar tranquilamente” as mais de 150.000 ovelhas que sobraram.

Ela defendeu a decisão de investigar a Emanuel Exports, dizendo que as autoridades tentaram trabalhar com o departamento de agricultura federal para obter certos documentos – incluindo as condições das licenças de exportação – mas não tiveram sucesso.

O departamento federal forneceu às autoridades todos os documentos relacionados à empresa que haviam sido divulgados anteriormente sob as leis de liberdade de informação, mas disse que a divulgação de quaisquer outros documentos poderia colocar em risco uma investigação federal sobre as preocupações de bem-estar durante a viagem Awassi Express de agosto de 2017.

O diretor da Emanuel Exports, Nicholas Daws, disse que a empresa cooperaria com “qualquer mandado emitido validamente”, mas que “não acredita que o governo estadual tenha uma base legal para investigar ou intervir em assuntos relacionados à exportação de animais vivos, dado o alcance do governo federal”.

Essa declaração foi apoiada pela Federação dos Fazendeiros de Australia Ocidental e pelo Conselho Australiano de Exportação de Animais Vivos. Ambos criticaram o governo do estado por conduzir a busca e acusaram MacTiernan de perseguir uma empresa privada para acabar com o comércio.

O executivo-chefe do conselho de exportação, Simon Westaway, disse que a decisão da Livestock Shipping Service de suspender seu comércio de alto verão este ano não significava que os exportadores começariam a sair definitivamente do negócio, ou que o comércio não seria mais viável.

No entanto, a presidente da Animals Australia, Lyn White, disse que a decisão mostrou que o modelo de negócios dos exportadores vivos estava “sofrendo” com as melhorias “mínimas” no bem-estar animal.

A Animals Australia vai contestar a decisão de conceder a Emanuel uma permissão de exportação para junho deste ano no tribunal federal no próximo mês.