Vida

Aumentam registros de acampamentos em áreas de preservação ambiental

Aumentam registros de acampamentos em áreas de preservação ambiental
Pixabay

Áreas de beleza e as áreas de conservação estão sendo colocados em risco por crescente número de campistas irresponsáveis, deixando para trás pilhas de lixo e acendendo fogos – com crescente medo de que esse problema pode crescer, já que acampamentos convencionais ficam cheios no verão.

A National Trust, que administra mais de 780 milhas de área litorânea e 250.000 hectares de terras de total acesso no Reino Unido, disse que tem visto um grande crescimento no que se é chamado “camping com moscas”, onde ficam grandes quantidades de lixo e às vezes tendas são deixadas por campistas ilegais.

“Estamos vendo uma mentalidade descartável do festival que nunca experimentamos nos nossos lugares antes,” disse Bem McCarthy, chefe da conservação e restauração da natureza da National Trust. “Isso não está causando problema somente para nós tendo que gastar um tempo valioso limpando os locais – afastando nossa equipe de trabalhos vitais de conservação e engajando com visitantes – mas também deixando detritos e lixo para trás, os quais podem causar problemas para a vida selvagem, como ferir os animais e destruir habitats. ”

FAÇA PARTE DO #DiaDeDoarAgora EM 5 DE MAIO

A instituição de caridade de conservação acrescentou que alguns campistas estão acendendo fogueira, embora a terra esteja bem seca. “Fogo pode facilmente perder controle – e isso pode ter um grande impacto na vida selvagem e as paisagens,” ele disse.

“Não é um ano em que você pode aparecer na Cornwall e simplesmente encontrar algumas acomodações.” Rob Nolan, conselheiro.

Os conselhos também estão tendo que lidar com o crescente nível de acampamentos em áreas selvagens irresponsáveis. O membro do gabinete de meio ambiente do conselho da Cornwall, Rob Nolan, disse que os moradores locais estão cansados de campistas inexperiente aparecendo sem fazer reservas e passando a noite em locais inadequados, em alguns casos deixando pilhas de lixo e enterrando fezes humanas em praias.

“Este ano, alguns parques de campismo não estão abrindo e outros estão reduzindo sua capacidade em 50%”, disse ele. “Então, há pessoas chegando que acham que não têm onde ficar e estão acampando da maneira antiga. Eles não estão equipados para isso. Temos que limpar a bagunça que eles deixam para trás. Existem muitos deles, então estamos bem esticados.

Nolan acrescentou que isso poderia piorar durante o verão, à medida que os acampamentos se enchem. “Este não é um ano em que você pode aparecer na Cornualha e apenas encontrar algumas acomodações. Temos uma grande redução de capacidade”, afirmou.

Tanto o National Trust quanto o Conselho da Cornualha desejam distinguir entre campistas selvagens discretos – que chegam tarde em locais remotos e vão cedo sem deixar vestígios de sua presença – e grupos maiores acampando em lugares inapropriados e deixando para trás lixo. Nolan está especialmente preocupado com os campistas sem nenhum lugar para ficar causando um incômodo público durante o verão.

“Nós não o incentivamos [acampamento selvagem] – mas vivemos com ele”, disse ele. “Estou mais preocupado com grupos e famílias mal equipados aparecendo e montando ao lado da praia ou estacionando vans em parques públicos. Simplesmente não é aceitável. ”

Muitos parques de campismo e caravanas em áreas populares já estão perto da capacidade durante o resto do verão. Isso leva a preocupações de que mais pessoas possam recorrer ao acampamento sem permissão em terras públicas ou privadas.

Até partes mais remotas do país, que têm sido usadas com responsabilidade por pequenos grupos de mochileiros há anos, tiveram que reprimir acampamentos irresponsáveis. A silvicultura na Inglaterra geralmente permite que as pessoas acamparem em quatro locais específicos no Kielder Forrest, com 400 quilômetros quadrados, em Northumberland. Mas na semana passada, a agência governamental proibiu todos os acampamentos selvagens em Kielder, depois que grandes quantidades de lixo foram jogadas pelos campistas.

“Era como se uma bomba tivesse atingido uma licença”, disse Jennifer Watson, uma guarda florestal da Forestry England, que estava envolvida na limpeza. “Havia oito tendas, 16 cadeiras, oito sacos de dormir, um edredom, travesseiros, uma enorme quantidade de recipientes para bebidas – e deve ter havido pelo menos 100 recipientes de gás nitroso”.

A agência decidiu que tinha que agir porque o problema estava ficando fora de controle, com guardas florestais lidando com um a dois campos não permitidos por semana. Watson, que ajudou a polícia a acabar com outro grupo de oito homens acampados em um local de interesse científico especial perto da água de Kielder no fim de semana passado, disse que nunca a conheceu tão mal durante seus seis anos trabalhando na floresta.

“Ficamos muito felizes quando as pessoas que vieram para o acampamento eram mochileiros adequados, que não deixam vestígios”, disse Watson. “Mas, no momento, estamos vendo um aumento de campistas que não sabem respeitar o campo”.