Vida

Abrigo de Itu cria campanha para realizar castrações

Divulgação

Divulgação

Com o grande número de animais recém chegados ao abrigo da Associação de Socorro e Proteção aos Animais de Itu (ASPA Itu), em São Paulo, foi necessário criar uma “Vakinha Online” no valor de R$1.200,00 para realizar a castração de 10 fêmeas. Visto que a ONG possui mais de 400 cães e não há lugar para abrigar tantos animais. “O número de pedidos para recolher um animal é maior do que a quantidade de adoções em Itu. Nesses últimos meses recolhemos algumas cachorras prenhas e outras já com seus filhotes que estavam em situação de abandono nas ruas.”, conta Patricia Daunt, fundadora do abrigo.

A ASPA Itu não possui recursos suficientes para custear veterinários e outros serviços necessários para a cirurgia. Portanto foi feita uma parceria com duas veterinárias da cidade, a Dra. Thainá Francys e a Dra. Stefanie Brentzel da Brentzel Centro Veterinário, para realizarem as castrações no abrigo, onde já existe uma sala com toda a estrutura necessária para as cirurgias.

“Com a esterilização a fêmea fica livre do risco de câncer de ovário e de útero e diminui o risco de câncer de mama. Estamos com muitos filhotes e não está tendo procura por adoções, alguns já estão com mais de cinco meses e isso reduz o interesse em adotar”, acrescenta Patricia. A intensão é que seja arrecadado o valor até o final do mês de novembro, antes que as fêmeas entrem no cio.

Veja como contribuir através do webprojeto ”.

O abrigo
Em 2006, diante de diversas situações de abandono e maus-tratos a animais na cidade de Itu, Patrícia Gollitsch Daunt e sua mãe Thereza fundaram a ASPA Itu. Com a missão de socorrer e abrigar sempre que possível, promover a adoção e guarda responsável das vítimas.

Em 10 anos mais de 5 mil cães passaram pela entidade. Hoje são necessárias mais de 2 toneladas de ração por mês para alimentar mais de 400 cães. Para manter seu funcionamento é preciso pelo menos R$10.000,00 por mês, para custear o trabalho diário e elevadas despesas mensais, com a construção e manutenção da infraestrutura, alimentação, limpeza, tratadores, cirurgias e tratamentos veterinários, além das despesas com o socorro de animais nas residências e ruas da cidade. A ONG recebe um subsídio da Prefeitura no valor de R$5.500,00, o que custeia somente parte da ração.