Tecnologia

Notou algo estranho? Como descobrir se o seu celular está sendo espionado

Notou algo estranho? Como descobrir se o seu celular está sendo espionado



    Espionar o celular de outra pessoa pode ser crime

     

    Se você acha que espionagem digital é coisa de filme ou de governos em busca de terroristas, é melhor rever os seus conceitos. Na web, uma série de sites vendem aplicativos que prometem acesso a mensagens, chamadas, localização e arquivos de fotos e vídeos de terceiros. Mas será que é tão fácil assim ser monitorado por um app espião?

    Especialistas ouvidos pelo UOL Tecnologia dizem que sim. A boa notícia é que existem formas de evitar esse tipo de rastreamento. Para isso, é importante saber que há duas formas principais de instalar um spyware (como são chamados esses softwares espiões) no seu celular: por meio do contato físico com o aparelho ou pelo envio de links.

    “A partir do momento em que você coloca esse app no celular e dá a ele certas permissões, é possível ativar o microfone e a câmera remotamente, acessar arquivos de fotos e vídeos, interceptar chamadas telefônicas e aplicativos de mensagem”, diz Frank Souza, especialista de privacidade e segurança do dfndr lab, da Psafe.

    Assim, a primeira dica é: evite emprestar o seu celular e defina uma senha para o desbloqueio do aparelho.

    No iOS

    No iOS, você pode configurar ou mudar essas informações no menu Ajustes. Dependendo do modelo do seu aparelho, procure o botão Código, Touch ID e Código ou Face ID e Código. Em seguida, clique em Ativar ou Alterar Código.

    No Android
    Se você tem um Android, vá para Configurações e acesse o menu de Segurança. Em seguida, clique em Bloqueio de tela e atribua um PIN.

    A segunda dica é: sempre desconfie de links ou programas enviados por outras pessoas e nunca abra se você não tiver certeza de que ele é seguro.

    Por último, baixe um antivírus no seu celular e faça varreduras periódicas. Ele pode sinalizar links ou apps não confiáveis. “Se outra pessoa tem a sua senha de desbloqueio, alguns antivírus têm a opção de configurar um código específico para baixar e instalar novos programas”, indica Marcos Simplicio, professor e pesquisador no LARC-USP (Laboratório de Arquitetura e Redes de Computadores da Universidade de São Paulo).

    Como saber se eu estou sendo espionado?

    A maioria dos apps espiões, aqueles que são instalados manualmente, pode ficar invisível no menu do celular. Outro problema é que eles não costumam dar sinais muito evidentes de que o aparelho está sendo rastreado.

    Para detectar um software malicioso, o primeiro passo é verificar no menu Ajustes (iPhone) ou Configurações (Android) se você reconhece todos os aplicativos listados. Além disso, veja quais apps têm permissão para acessar o microfone, a câmera, as fotos e o serviço de localização.

    Caso identifique algum item que não tenha baixado, é só desinstalar a ferramenta. “Isso funciona bem para os aplicativos mais simples. Já aqueles que exploram uma falha de segurança, só um antivírus pode detectá-lo”, explica Souza.

    Os usuários devem ainda ficar atentos caso aumente significativamente o consumo de dados ou da bateria, ou quando ferramentas forem acionadas sem a sua permissão. “Por exemplo, você percebe que o 3G ou 4G, o Bluetooth ou alguma ferramenta de localização é ativada sem que você tenha feito isso. Esses podem ser alguns sinais de um espião. O problema é que um bom spyware não dá dicas”, diz o professor da USP.

    Espionar o celular pode ser crime

    O artigo 10 da Lei 9296/96 define como crime “realizar interceptação de comunicações telefônicas, de informática ou telemática, ou quebrar segredo da Justiça, sem autorização judicial ou com objetivos não autorizados em lei”. Nesses casos, a pena prevista é de prisão, de dois a quatro anos, e multa.

    Mas, segundo o advogado Renato Opice Blum, coordenador do curso de direito digital e proteção de dados do Insper, há algumas exceções. “Em tese, os pais poderiam fazer esse monitoramento dos filhos até os 18 anos”, diz.

    Outro caso em que há possibilidade legal é quando o empregado usa um celular corporativo. “Nas situações em que o equipamento e os softwares são da empresa, e por ser uma ferramenta de trabalho, é afastada a expectativa de privacidade”, explica o especialista em direito digital. O advogado destaca, no entanto, que para evitar problemas é importante que as partes tenham claro o que pode e o que não pode ser feito com esse equipamento.

    Já quem tem o celular invadido por um hacker, além do crime de interceptação de comunicação, o autor pode ser enquadrado na Lei Carolina Dieckmann (Lei 12.737/2012).

    O texto prevê pena de detenção, de três meses a um ano, e multa para quem violar dispositivos de segurança com a finalidade de “obter, adulterar ou destruir dados ou informações sem autorização expressa ou tácita do titular do dispositivo ou instalar vulnerabilidades para obter vantagem ilícita”.

    Nos casos previstos em lei, a pessoa que tem o celular espionado pode procurar a polícia, para que se abra uma investigação criminal, e pode entrar com um pedido indenização por danos morais. “Isso tudo depende da situação, mas, em geral, a vítima que descobre que teve o aparelho invadido deve, antes de qualquer coisa, procurar um profissional da área técnica e outro da jurídica. Eles vão saber como garantir que as provas do crime não sejam destruídas”, recomenda Opice Blum.



    Fonte: UOL

    Créditos: UOL

    aplicativo, celular, espião, espionado, segurança, tecnologia