Tecnologia

Hipertensão: causas, sintomas, diagnóstico e como baixar a pressão: VEJA VÍDEO

Hipertensão: causas, sintomas, diagnóstico e como baixar a pressão: VEJA VÍDEO

Hipertensão ou pressão alta é um dos principais fatores de risco para a ocorrência de acidente vascular cerebral, enfarte, aneurisma arterial e insuficiência renal e cardíaca.

A hipertensão arterial ou pressão alta é uma doença crônica que tem como característica os níveis elevados da pressão sanguínea nas artérias. A pressão alta acontece quando os valores das pressões máxima e mínima são iguais ou ultrapassam os 140/90 mmHg (ou 14 por 9), fazendo com que o coração tenha que exercer um esforço maior do que o normal para fazer com que o sangue seja distribuído corretamente no corpo.  A hipertensão é um dos principais fatores de risco para a ocorrência de acidente vascular cerebral, enfarte, aneurisma arterial e insuficiência renal e cardíaca.

Causas da pressão alta

Em 90% dos casos, o problema é herdado dos pais, mas há vários fatores que influenciam nos níveis de pressão arterial, como os hábitos de vida do indivíduo. Entre eles estão:

  • Fumo
  • Consumo de bebidas alcoólicas
  • Obesidade
  • Estresse
  • Elevado consumo de sal
  • Níveis altos de colesterol
  • Falta de atividade física;
  • Além desses fatores de risco, sabe-se que a incidência da pressão alta é maior na raça negra, em diabéticos, e aumenta com a idade.

Sintomas da pressão alta

De acordo com o Ministério da Saúde, os sintomas da pressão alta costumam surgir apenas quando a pressão sobe muito. Nesses casos, podem ocorrer dores no peito, dor de cabeça, tonturas, zumbido no ouvido, fraqueza, visão embaçada e sangramento nasal.

Tratamento

Apesar de não ter cura, a hipertensão tem tratamento e pode ser controlada. O melhor método para o controle vai depender de cada paciente e apenas o médico poderá determiná-lo.

Segundo o Ministério da Saúde, o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece gratuitamente os remédios nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e pelo programa Farmácia Popular. Para retirar o medicamento, basta apresentar um documento de identidade com foto, CPF e receita médicadentro do prazo de validade, que são 120 dias. A receita pode ser emitida tanto por um profissional do SUS quanto por um médico que atende em hospitais ou clínicas privadas.

Diagnóstico

A única maneira de diagnosticar a hipertensão é medir a pressão regularmente. Conforme o Ministério da Saúde, o indicado é que pessoas acima de 20 anos de idade realizem a medição  da pressão arterial ao menos uma vez por ano. Para quem conta com casos de pessoas com pressão alta na família, deve-se medir no mínimo duas vezes por ano.

Prevenção

Para controlar a hipertensão, além dos medicamentos disponíveis atualmente, é imprescindível adotar um estilo de vida saudável:

  • Manter o peso adequado, se necessário, mudando hábitos alimentares;
  • Não abusar do sal, utilizando outros temperos que ressaltam o sabor dos alimentos;
  • Praticar atividade física regular;
  • Aproveitar momentos de lazer;
  • Abandonar o fumo;
  • Moderar o consumo de álcool;
  • Evitar alimentos gordurosos;
  • Controlar o diabetes.

Hipertensão em números

De acordo com o Sistema de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças Crônicas por Inquérito Telefônico (VIGITEL) de 2017, a prevalência de hipertensão autorreferida passou de 22,6% em 2006 para 24,3% em 2017. A pressão alta tende a aumentar com a idade, chegando, em 2017, a 60,9% entre os adultos com 65 anos e mais; e foi menor entre aqueles com maior escolaridade, com 14,8% entre aqueles com 12 anos ou mais de estudo.

De acordo com o estudo, as mulheres ainda continuam com maior prevalência de diagnóstico médico de hipertensão arterial quando comparado aos homens, tendo registrado 26,4% contra 21,7% para eles. Em 2017, as capitais com maior prevalência entre as mulheres foram Rio de Janeiro (34,7%) e Recife (30,0%), e entre os homens, foram Maceió (26,3%) e Natal (26,2%). Para o total, o Rio de Janeiro (RJ) se manteve pelo segundo ano consecutivo como a capital brasileira com o maior percentual de hipertensos.

Pressão alta na gravidez

As alterações hipertensivas durante a gestação estão associadas a complicações graves fetais e maternas e a um risco maior de mortalidade materna e perinatal. A hipertensão gestacional é a principal causa de mortalidade materna nos países em desenvolvimento, sendo responsável por um grande número de internações em centros de tratamento intensivo.

Prevenção

De acordo com o Ministério da Saúde, em mulheres com pressão alta, a avaliação pré-concepcional permite a exclusão de hipertensão arterial secundária, aferição dos níveis pressóricos, discussão dos riscos de pré-eclâmpsia e orientações sobre necessidade de mudanças de medicações no primeiro trimestre de gravidez.

Mulheres com hipertensão dentro da meta pressórica e com acompanhamento regular geralmente apresentam um desfecho favorável. Por outro lado, mulheres com controle pressórico insatisfatório no primeiro trimestre de gravidez têm um risco consideravelmente maior de morbimortalidade materna e fetal (JAMES; NELSON-PIERCY et al., 2004).

Tratamento

tratamento da pressão alta leve na grávida deve ser focado em medidas não farmacológicas, já nas formas moderada e grave pode-se optar pelo tratamento usual recomendado para cada condição clínica específica. Independente da etiologia da hipertensão arterial na gestação, é fundamental que a equipe de Saúde esteja atenta ao controle pressórico e avalie a possibilidade de encaminhamento ao serviço de pré-natal de alto risco.

Fonte: TV Jornal

Créditos: Tv Jornal