Tecnologia

CONTRA FAKE NEWS: WhatsApp lança central informativa sobre coronavírus

CONTRA FAKE NEWS: WhatsApp lança central informativa sobre coronavírus

A pandemia do novo coronavírus é um dos assuntos mais falados no mundo e, infelizmente, se tornou um prato cheio para as fake news. Em uma tentativa de combater esse problema, o WhatsApp lançou hoje uma iniciativa global para ajudar na conscientização sobre a nova doença e incentivar seus usuários a adotarem apenas o contato virtual.

Trata-se de uma central informativa online feita em parceria com a Organização Mundial da Saúde, Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e Pnud (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento).

Nela, a empresa fornece orientações para seus usuários, como o passo a passo para fazer chamadas em grupo, de voz e de vídeo. Além disso, tira dúvidas e oferece informações para profissionais da saúde, educadores, líderes comunitários, organizações sem fins lucrativos, governos e empresas locais.

Para acessá-la, basta entrar no endereço: whatsapp.com/coronavirus. Segundo a empresa, o objetivo é diminuir a disseminação de notícias falsas e divulgar conteúdos oficiais de saúde.

“Além disso, o WhatsApp está trabalhando com a OMS [Organização Mundial da Saúde] e o Unicef para fornecer linhas diretas de mensagens para pessoas de todo o mundo usarem diretamente. Essas linhas diretas fornecerão informações confiáveis e serão listadas no Hub de informações sobre o Coronavirus do WhatsApp”, informou a empresa em seu comunicado.

O Hub de Informações sobre o Coronavírus, como é chamada oficialmente a iniciativa, começou a funcionar hoje e terá as atualizações que o WhatsApp achar necessárias.

Apoio financeiro

Outra iniciativa que o WhatsApp anunciou para o combate das fake news é o investimento de US$ 1 milhão para apoiar a IFCN (Rede Internacional de Verificação de Fatos, em tradução livre) em seu trabalho de verificação de rumores e boatos, iniciativa chamada #CoronaVirusFacts Alliance, que abrange mais de 100 organizações de pelo menos 45 países.