Política

Reserva para casos de covid-19 | Bolsonaro diz que não tem 'nenhum problema' com ministro da Saúde

Reserva para casos de covid-19 | Bolsonaro diz que não tem 'nenhum problema' com ministro da Saúde

O presidente (sem partido) afirmou que não tem "nenhum problema" com o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta (DEM). Segundo ele, as divergências entre as recomendações do ministério da Saúde e sua participação em manifestações populares no último domingo (15), durante a crise do coronavírus, seriam uma "pregação" de parte da imprensa.

"Repito o que diz o nosso ministro da Saúde, com o qual não tenho nenhum problema com ele, diferentemente do que parte da mídia ainda prega", iniciou o presidente, em entrevista coletiva nesta quarta-feira (18), no Palácio do Planalto com a presença de seus principais ministros. Mandetta estava sentado ao lado de Bolsonaro

Durante a entrevista, todos os participantes usavam máscaras, porque dois ministros foram diagnosticados com a covid-19 - General Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Almirante Bento Albuquerque (Minas e Energia). Mais de dez pessoas no entorno de Bolsonaro estão com a doença, que é considerada pandemia mundial, depois de participarem de encontro nos EUA com o presidente norte-americano, Donald Trump.

"O que nós buscamos é estender, alongar o prazo daqueles que porventura contrairão o vírus", disse Bolsonaro ao reforçar as recomendações de Mandetta.

O presidente voltou a negar que tenha estimulado os protestos contra o Congresso e o Supremo Tribunal Federal (), apesar de ter divulgado vídeos convocatórios das manifestações e de ter abraçado manifestantes no domingo. Segundo ele, participaram "menos de 1 milhão de pessoas". O presidente admitiu que "assumiu o risco" de ser contaminado com a doença. Ele fez dois testes, mas ambos deram negativo.

Bolsonaro repetiu que um vídeo que ele enviou a amigos num grupo de WhatsApp não era para convocar para as "manifestações a favor do Brasil" do dia 15 de março passado, mas para protestos contra a então presidente Dilma Rousseff (PT) em 15 de março de 2015. No entanto, a afirmação não se sustenta, porque entre as imagens presentes nos vídeos estavam a facada sofrida por Bolsonaro durante a campanha presidencial de 2018 e a cerimônia de posse, em 1º de janeiro de 2019.

Em sua fala, Mandetta adotou um tom elogioso em relação a Bolsonaro e disse que o momento é de calma.

"O momento é de calma. Nós vamos passar, teremos dias difíceis. O Brasil já passou por momentos mais dramáticos do que esse na sua história", disse o ministro.

"O presidente é o grande timoneiro desse barco", afirmou Mandetta.