Política

Recebeu visita de Bolsonaro | 'Fico mais liberada para votar contra o governo', diz Bia Kicis

Recebeu visita de Bolsonaro | 'Fico mais liberada para votar contra o governo', diz Bia Kicis

A deputada federal Bia Kicis (PSL-DF) afirmou na noite de hoje que sua destituição da a deixa mais livre para votar contra projetos do governo, mas que continua apoiando o presidente Jair Bolsonaro.

"Fico mais liberada para votar contra o governo", disse a deputada federal, durante entrevista à "CNN Brasil". Ela declarou ainda que esperava ser comunicada com antecedência, porém disse entender os motivos que levaram o presidente a retirá-la da função.

O afastamento da função de vice-líder do governo ocorreu após o voto contrário da deputada na aprovação pela Câmara da proposta de emenda à Constituição, que torna permanente o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação (Fundeb).

"Entendo perfeitamente a decisão do presidente, ele não aprovou o meu voto e está tudo certo."

A deputada federal fez questão de ressaltar que sua relação com Bolsonaro permanece boa.

"Temos uma relação uma de amizade, então segue o jogo. O gesto [do presidente] é de que quer todos os líderes e vice-líderes votando com o governo. Mas isso é uma novidade, porque houve casos em que votaram contra. Marquei minha posição, presidente marcou a dele. Somos amigos. Sei que conto com a confiança do presidente, assim como ele contato com meu apoio."

Visita de Bolsonaro

O presidente foi à casa da parlamentar para uma visita. A atitude foi interpretada por interlocutores como um gesto político de Bolsonaro ao grupo de parlamentares mais radicais que tem perdido espaço após a aproximação do governo com o Centrão.

Bolsonaro decidiu visitar Bia Kicis após anunciar no Twitter, no início da manhã de hoje, que fez um novo exame para detectar o coronavírus e o resultado foi negativo. O presidente.

Bia Kicis publicou ainda em seu perfil no Twitter um vídeo do presidente se despedindo da casa dela. "Atenção, haters, voltou o amor, podem ficar despreocupados", escreveu a deputada.

No vídeo, o presidente afirma que "voltou o amor, falou? Tá tudo tranquilo agora".

A deputada afirmou ao UOL que foi surpreendida com a visita, que não estava combinada previamente.

"Fui bem surpreendida [com a visita do presidente]. Fiquei muito feliz. Não combinamos nada. A visita foi um gesto de consideração pela nossa amizade. Ele sabe da minha postura de lealdade. Ele veio mostrar que está tudo bem. Foi só uma decisão política [a retirada da liderança] e não vai afetar os nossos laços", declarou a deputada.

"Ele fez um afago aos aliados", diz assessor de Bolsonaro

Segundo um assessor de Bolsonaro, ao visitar a deputada, o presidente fez um gesto político ao grupo de parlamentares do PSL e de outros partidos que sempre foi aliado de Bolsonaro. Com a aproximação do governo com o Centrão, assessores palacianos temem que ocorra um racha entre apoiadores do governo.

"Ele fez um afago aos aliados. Ele sabe que precisa contar com o apoio dela e de outros parlamentares que sempre estiveram ao seu lado", disse o assessor.

A decisão de destituir Kicis foi publicada em edição extra do Dário Oficial da União. Uma das principais aliadas do presidente no Congresso, Kicis está em seu primeiro mandato como deputada. A mensagem no Diário Oficial da União não informa o que motivou a decisão pela saída da deputada.

Em entrevista ao jornal Correio Braziliense, ela afirmou que Bolsonaro . Na ocasião, Kicis disse que não se sente traída e manterá seu apoio, mas que o governo perderá com a sua destituição da posição. A deputada ainda afirmou que foi convicta em seu voto contrário à aprovação do Fundeb.