Política

Maia sugere que fundo de R$ 2,5 bi da Petrobras seja usado na Amazônia

Maia sugere que fundo de R$ 2,5 bi da Petrobras seja usado na Amazônia

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, sugeriu que parte dos R$ 2,5 bilhões do fundo da Petrobras seja direcionado para conter as queimadas na Amazônia, que se proliferam há cerca de três semanas e têm chamado atenção de países estrangeiros.

O parlamentar publicou em seu perfil do Twitter, nesta sexta-feira (23), que sua proposta “para o combate às queimadas é efetiva”.

A iniciativa precisa ser peticionada no Supremo Tribunal Federal (STF), que detém a decisão de liberar as verbas ou não.

Segundo Maia, a proposta é dividir o valor da reparação da estatal por fraudes no Brasil com áreas da educação. Esse direcionamento já vem sendo desenhado desde maio pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub.

Em meio a críticas contra o governo Jair Bolsonaro na área ambiental, o presidente da Câmara afirmou nesta quinta-feira (22), que pretende dialogar com parlamentos europeus sobre a Amazônia.

Reação de Bolsonaro Mais cedo, o presidente Jair Bolsonaro fez uma ironia e perguntou a jornalistas se é verdade que o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ) vai dar R$ 2 bilhões do fundo público de campanha para ajudar a combater os incêndios.

Bolsonaro disse que viu “uma notinha” sobre a suposta iniciativa de Maia na imprensa. O montante representa o aumento defendido por Maia e parlamentares no fundo partidário, que pode chegar a R$ 3,7 bilhões nas eleições municipais do ano que vem.

Bolsonaro reagiu ao ser indagado se a liberação de recursos estaria entre as iniciativas do governo para ajudar no combate às queimadas na região amazônica. “O problema é recurso”, respondeu.

No início de agosto, após ser criticado pela Alemanha, Bolsonaro afirmou que não precisava dos recursos estrangeiros no Fundo Amazônia.

Repercussão Imagens da floresta amazônica em chamas rondam o Planeta através das redes sociais. A comoção social colocou o assunto entre os mais comentados no mundo, aumentando a pressão sobre o governo Bolsonaro.

Nesta manhã, o presidente francês Emmanuel Macron afirmou que Bolsonaro “mentiu” sobre seus compromissos com o meio ambiente e anunciou que, sob essas condições, a França se opõe ao controverso tratado de livre comércio UE-Mercosul.

“Dada a atitude do Brasil nas últimas semanas, o presidente da República só pode constatar que o presidente Bolsonaro mentiu para ele na cúpula (do G20) de Osaka”, declarou o palácio do Eliseu, estimando que “o presidente Bolsonaro decidiu não respeitar seus compromissos climáticos nem se comprometer com a biodiversidade”.

Já a Finlândia, que detém a Presidência rotativa da União Europeia, pediu que o bloco avalie a possibilidade de banir a carne bovina do Brasil devido à devastação causada pelas queimadas na Amazônia.

O primeiro-ministro da Irlanda também ameaçou votar contra o acordo comercial entre a União Europeia e o Mercosul se o Brasil não respeitar seus “compromissos ambientais”.

Fonte: Portal Exame

Créditos: Portal Exame