Política

Entrevista para o UOL | Salles explica frase sobre 'boiada' e diz: 'Não cabia a mim falar sobre covid-19'

Entrevista para o UOL | Salles explica frase sobre 'boiada' e diz: 'Não cabia a mim falar sobre covid-19'

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, explicou hoje, em entrevista ao UOL, a polêmica frase que disse na reunião ministerial de 22 de abril. Na ocasião, ele sugeriu que aproveitassem o foco da imprensa na cobertura de coronavírus para "passar a boiada".

"Eu me referia às normas de 10, 20, 30 anos atrás, acerca de competitividade do Brasil, ou seja, custo Brasil. Normas infralegais que deveriam ser revisadas porque se tornaram obsoletas, contraditórias ou porque não se observam em termos em que foram publicadas. Normas que travam o desenvolvimento e a geração de empregos", afirmou.

Em determinado momento, o ministro justificou que não quis dizer que a pandemia seria uma "oportunidade" para modificar normas, mas que o foco da imprensa na covid-19 poderia evitar o que ele chama de "polêmicas".

"Eu não disse que pandemia é uma oportunidade. O que eu disse é que a forma como a imprensa tem feito a cobertura... Não tenho problema nenhuma sobre a cobertura da imprensa. Mas o volume de crítica, o nível de manipulação, isso atrapalha enormemente. Não é cobertura justa. É militância. E isso atrapalha muito", criticou.

"O que temos observado nos últimos tempos: a cobertura da imprensa, que é democrática e não incomoda, mas tem uma cobertura ativista, que desinforma a sociedade. Não é verdade que somos insensíveis. O que eu falei ali é que seria hora efetivamente de revisar as regras normativas", acrescentou.

No dia 22 de abril, em quase duas horas de reunião, Bolsonaro e seus ministros falaram sobre a covid-19 por apenas 19 minutos e 18 segundos —naquela data, o Brasil já tinha 2.906 mortes confirmadas.

"Eu queria fazer um comentário: 'Ah, ninguém falou sobre a covid-19" [na reunião], mas aquela era uma reunião para tratar do pro-Brasil. Você repara que eu me referia uma fala do slide do Braga Netto. Então, não cabia a mim falar acerca do tema [coronavírus]", completou o ministro.

O vídeo da reunião foi alvo de críticas pela quantidade de palavrões proferidos pelos membros do governo federal. Salles saiu em defesa de seus pares: "Cada um tem um estilo. O governo Bolsonaro é marcado por posições fortes. Os ministros têm isso: posições fortes e técnicas. O Brasil passou 30 anos se curvando ao politicamente correto, que não nos permitiu discutir posições".