Política

Deputado pede unificação de dados e sugere criação de Frente Parlamentar do Trânsito e comenda Fátima Lopes

Deputado pede unificação de dados e sugere criação de Frente Parlamentar do Trânsito e comenda Fátima Lopes

Foto: reprodução

O deputado estadual Eduardo Carneiro (PRTB) propôs, durante sessão especial em alusão ao Maio Amarelo, de sua autoria, que seja criada a Frente Parlamentar de Trânsito e Mobilidade Urbana e também a comenda Fátima Lopes para homenagear pessoas comprometidas com os assuntos ligados ao trânsito. Ele ainda pediu que seja criado um banco unificado sobre acidentes de trânsito, pois atualmente existem divergência de números, e ações educativas permanentes dentro de escolas.

Os debates, realizados nesta quinta-feira (9) na Assembleia Legislativa da Paraíba (ALPB), contaram com as presenças de representantes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), Detran-PB, Superintendência de Mobilidade Urbana de João Pessoa (Semob), Superintendência de Trânsito e Transportes Públicos de Campina Grande (STTP), educadores e representantes da sociedade civil organizada.

“O assunto sobre o trânsito é muito importante para que seja debatido apenas durante o mês de maio e, por isso, apresentamos o pedido para a criação da Frente Parlamentar. É importante que possamos estar constantemente reunidos debatendo os problemas e na busca de soluções que garantam a redução de acidentes, garantindo a preservação da vida”, destacou Eduardo Carneiro, acrescentando que a educação é a principal solução para redução de tantas mortes e mutilações no trânsito.

Adalberto Araújo, superintendente da Semob, disse que os órgãos de trânsito de todo o país têm um grande desafio de reduzir os índices de acidentes. Com base nisso, a Semob vem organizando uma coleta de dados sobre a violência no trânsito de João Pessoa. “Esses dados vão nos ajudar a fazer uma avaliação do trânsito da Capital, assim como sugere o deputado Eduardo Carneiro com a criação de um banco unificado. Além disso, temos e vamos intensificar as fiscalizações e também a realização de campanhas durante este ano”, afirmou.

O superintendente da STTP, Félix Neto, apresentou dados de acidentes de trânsito em Campina Grande, mostrando que é urgente a elaboração de campanhas voltadas aos motociclistas. Dos 2.522 acidentes registrados em 2018, 2.049 envolveram motos. “É isso que precisamos debater porque essa não deve ser uma realidade apenas de Campina. Precisamos fazer campanhas educativas unificadas envolvendo todos os órgãos de trânsito da Paraíba”, defendeu.

Durante discurso, o superintendente da PRF na Paraíba, Carlos André, defendeu como alternativas para a redução da violência no trânsito a sensibilização para que as pessoas façam a coisa certa; trabalhos de educação para o trânsito nas escolas; além de priorizar a fiscalização. “Temos que associar a mudança comportamental das pessoas junto com a educação e a fiscalização”, garantiu.

Para a representante do Observatório Nacional de Segurança Viária e do Movimento Maio Amarelo, Abimadabi Vieira, é preciso ocupar mais espaços para alertar a população sobre a segurança no trânsito. Ana Paula Buzetto, coordenadora da Divisão de Educação de Trânsito do Detran-PB, também defendeu a realização de campanhas educativas, principalmente nas escolas. “É preciso começar a educar as nossas crianças nas escolas e também precisamos de mais espaços como este em que possamos falar sobre o trânsito”, disse.

Os deputados Anderson Monteiro (PSC), Dra Paula (Progressista) e Cabo Gilberto (PSL), que também participaram da sessão, parabenizaram Eduardo Carneiro pela realização da sessão e defenderam a realização de mais campanhas por todo o Estado.

Dados – Segundo a Seguradora Líder, que administra o DPVAT, 22.503 pessoas morreram em meio ao caos de imprudências e outras 134.710 ficaram inválidas. Ou seja, quase todos os dias morrem cerca de 107 pessoas no nosso trânsito urbano e nas estradas do Brasil. Os homens somam 54% das vítimas fatais. Aqui na Paraíba, a cada oito horas, uma pessoa morre em decorrência do trânsito. No ano passado, o Estado registrou uma média de três pessoas mortas por dia nas rodovias.

Fonte: Polêmica Paraíba

Créditos: Polêmica Paraíba