Política

Apoiadores de Bolsonaro convocam atos pró-governo no dia 26

Apoiadores de Bolsonaro convocam atos pró-governo no dia 26

Perfis de apoiadores do presidente Jair Bolsonaro iniciaram, na quarta-feira, 16, um movimento nas redes sociais para promover atos a favor do governo no dia 26. No Twitter, ao menos 12 contas ligadas à rede bolsonarista usaram a hashtag #dia26nasruas para convocar simpatizantes do presidente à manifestação.

O texto disparado por Bolsonaro no WhatsApp nesta sexta-feira, 17, é visto por esses apoiadores como sinal de motivação para a realização dos atos. Partidos integrantes do Centrão e ministros do Supremo Tribunal Federal (STF), classificados pelos organizadores como “inimigos do Brasil”, estão na mira dos manifestantes. Eles também defendem o ministro da Justiça, Sérgio Moro, a Medida Provisória 870 (da reforma administrativa) e a reforma da Previdência.

“Bolsonaro sangrou por este País, mas seus inimigos acham pouco. Querem enterrá-lo. No dia 26, vamos às ruas em protesto contra o Centrão, o STF, e todos os inimigos do Brasil e deste governo, que se faz tão necessário”, diz uma mensagem do Movimento Brasil Conservador (MBC) no Twitter.

Outros grupos conservadores também usaram as redes sociais para divulgar a manifestação.

View this post on Instagram

ATENÇÃO!! Precisamos mostrar força, pois já estão organizando o IMPEACHMENT DO BOLSONARO, por meio de bloqueios de ações do governo para que ele siga o exemplo da Dilma e pedale. . SE PERDERMOS O BOLSONARO NA PRESIDÊNCIA MERGULHAREMOS NO CAOS E NA DESGRAÇA. . Vai entrar votação as seguintes pautas: PACOTE ANTICRIME DE SÉRGIO MORO – Nem precisa falar né? Endurece as penas e mantêm os criminosos presos! . MEDIDA PROVISÓRIA Nº 870, DE 2019 –  Ela organizou todo o Governo Bolsonaro reduzindo custos e diminuindo número de ministérios, caso não seja aprovada TODA A PORCARIA DOS GOVERNOS ANTERIORES TERÃO QUE VOLTAR. . NOVA PREVIDÊNCIA –  A redenção do país, principalmente se for aprovada com 1 trilhão de economia, se passar assim seremos um país gigante em pouco tempo. . O DINHEIRO ACABOU E OS DEPUTADOS ESTÃO TRABALHANDO PARA IMPEDIR QUE BOLSONARO GOVERNE E PEDALE, POIS SE ACONTECER ELE SOFRERÁ O IMPEACHMENT E AÍ… MEU AMIGO!! DEUS NOS DEFENDA. . ASSISTA ESTE VÍDEO DO NANDO MOURA: CANAL: NANDO MOURA TÍTULO: Vai ter IMPEACHMENT – Ainda este ANO LINK: https://bit.ly/2VyOpc6 (Digite o link na barra de ferramentas do navegador do celular ou acesse o Instagram pelo computador, copie o link e cole no navegador, ou vá ao canal do Nando Moura e assista – mais recomendável) . Segue lá @dedireitabr

A post shared by De Direita Brasil (@dedireitabr) on

A iniciativa é uma resposta às manifestações contra o governo na última quarta-feira, 15. O movimento, porém, não tem a adesão dos principais grupos que lideraram os atos pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff: Vem Pra Rua, NasRuas e MBL. Memes anônimos com o logotipo dessas organizações circularam pelas redes sociais convocando para uma marcha em defesa do governo em Brasília dia 26.

“Apoiamos a nova Previdência, a reforma tributária e o pacote anticrime. Como a grande maioria dos brasileiros queremos que o País dê certo e se desenvolva. Não estamos aderindo a esta manifestação pois achamos as pautas confusas e dispersas. Somos apartidários”, disse Tomé Abduch, porta-voz do movimento NasRuas.

A ativista Adelaide Olivira, porta-voz do Vem Pra Rua, conta que o grupo defende a reforma da Previdência e o pacote anticrime elaborado por Moro, mas não apoia o presidente Jair Bolsonaro. “O Vem Pra Rua não defende a política do governo e o partido dele, mas ideias e iniciativas como a reforma da Previdência”, afirmou.

Um dos principais temas no Twitter é a oposição do MBL, que afirmou por meio de sua conta no Twitter não estar na organização do ato. Apoiadores de Bolsonaro como Pedro Medeiros, aluno de Olavo de Carvalho e seguido por 11 mil pessoas, criticaram a postura do movimento. Já o economista Leandro Ruschel, com 240 mil seguidores, também citou o movimento. “O MBL é oposição ao governo, só não entendo por que não declararem abertamente”, disse.

Fonte: Veja

Créditos: Veja