País

Silêncio sobre Roberto Alvim reinou entre o pessoal do axé, do sertanejo e do pagode – Por Anderson França

Silêncio sobre Roberto Alvim reinou entre o pessoal do axé, do sertanejo e do pagode – Por Anderson França

Ontem foi comemorado, nos Estados Unidos, o dia de Martin Luther King. Um dos três feriados dedicados a personalidades, num país de poucos feriados, onde tempo é dinheiro.

Neste dia, instituições e pessoas são estimuladas a praticar ações humanitárias locais e voluntárias, em memória ao pastor batista e ativista de direitos civis assassinado em 1968.

No dia seguinte a sua morte, James Brown fez um show em Boston, aberto para o público, e não foi apenas seu melhor show, foi um marco histórico para ele, a comunidade negra e a sociedade. James Brown, no auge, se posicionou. Teve lado.

Aliás, é esse show dele que estou assistindo no Youtube pra escrever essa coluna.

Porque eu tenho que respirar muito fundo pra voltar pra realidade brasileira, onde reina o silêncio da classe artística sobre o que Roberto Alvim fez na Secretaria da Cultura.

E quando me refiro a “classe artística”, vou ser bem específico.

Não se trata de Zélia Duncan, que gravou um vídeo e botou a cara a tapa horas depois do discurso Goebbels-Alvim. Não se trata de D2 que foi ameaçado e processado pelo governador de São Paulo, João Doria, por dizer a verdade: que ele, governador, apoia, com sua metodologia de governo, o massacre de Paraisópolis. Não me refiro ao Tico Santa Cruz, que precisou dar um tempo porque estava basicamente mergulhado em ódio. Não me refiro ao Pedro Cardoso, um vizinho aqui em Portugal, que todos os dias se posiciona no Instagram, como uma pastoral diária, apesar de ateu, um homem mais lúcido que 99% dos religiosos que conheci, e olha que conheci religioso pra caralho, eis que filho do protestantismo.

Eu nem me refiro a Porta dos Fundos, que são alguns comediantes cariocas que abalaram a República.

Eu estou falando da classe artística que detém os maiores e mais gordos contratos. Da turma da cultura de massa. Das maiores emissoras. Dos maiores contratos com gravadoras e distribuidoras. Com agenda cheia pra propaganda de banco, de supermercado, de carro, de programa de auditório.

Eu tô falando do pessoal do pagodin.

Do sertanejo. Do axé. Do pop-funk-fuck. Do pessoal influencer.

Eu dei um passeio nas redes sociais de Thiaguinho, Mairara e Maraísa, Simone e Simaria, Ivetão, Anittão de Honório, Whindersson, Kéfera, um pessoal assim, que pega eventualmente umas boca nervosa de dinheiro, e percebi algo em comum em todos eles.

Eles estão num Brasil onde não tem pobre.

Quer dizer, tinha: eles.

Mas depois que Ivete vendeu muita quentinha num fusca enferrujado cheio de gangrena e sífilis, depois que Whindersson superou a fome extrema, a peste e a praga em Maceió, e quando eles chegaram “lá”, subitamente o Brasil virou uma Noruega, todo mundo usando moleton da Adidas, da coleção nova da Beyoncé, todo mundo recebendo bençãos do Senhor, muito corpinho sarado no Brasil, muita alegria, dinheiros, drinks, cachorrinhos, viagem pra Orlando, chorando emocionado na Torre Eiffel, porque ninguém nunca imaginou que um dia sairia de São Miguel Desgraça do Alto Caparaó, pra um provador de roupas da Zara, comprando tudo que pode em euro, com dinheiro de Youtube, música, caralho a quatro.

As sertaneja vivem num mundo que nem emoção tem. Tu olha pra cara dessa Maionese e Marinada, tanto faz falar da guerra no Iraque, do preço da carne, de uma cidade inteira inundada por lama tóxica, racismo, nazismo, qualquer merda: a cara delas é de paisagem, de nada, de vazio. Assim como não encontramos eco em suas redes, páginas, falas, presenças, nada, absolutamente nada nessa classe artística é sobre o Brasil, e sim sobre uma bolha esmagadoramente ingênua, neo-branca, evangélica, fascista, oportunista, porque sabem o que é certo, mas preferem o que dá certo, essa classe artística, que poderia incorporar o papel relevante de influenciar para uma sociedade mais justa, se cala pra não perder uma merda de um patrocínio da P&G.

Lucram milhões com a cultura popular. Sertanejo nasce com o homem do campo. Axé music nasce com o povo negro oprimido. Pagode nasce nas rodas de Partido Alto no subúrbio do Rio de Janeiro. Essas pessoas ganham uma quantidade significativa de dinheiro parasitando as criações populares, o povo que lhes paga pelos ingressos, mesmo povo que é oprimido pelos governantes que eles, silenciosamente, apoiam, alguns até declaram mesmo. E patrocinadores que tão se lixando pra quem chora, querem é vender a porra do lenço. Roberto Carlos, que foi condecorado pelos ditadores, deixou cria.

Isso difere de gente no mundo todo. Jane Fonda, Joaquin Phoenix, que inclusive foram presos por protestos por direitos civis, Jay-Z, Beyoncé, comediantes, atores, intelectuais que protestaram com o #BlackLivesMatter, atrizes e comediantes feministas, gente que lucra muito mais dinheiro, que foi tão pobre quando muitos que disse aqui, subiram economicamente e peitam o sistema.

Aqui, fica essa egípcia. Quando muito, dão uns brinquedo em orfanato, pra passar de humanos. Mas não se importam. Há um Brasil que não existe, pra eles. E para nós, o Brasil deles também não existe.

Aí surge o Luciano Huck, que só agora se deu conta que Bolsonaro, que ele elegeu, veio pra acabar com tudo que a democracia construiu. Mas aí né, Luciano, me ajuda. Quando era com preto, gay, mulher, não era contigo. Agora, é tarde.

Essa Jovem Guarda Gospel. Jovem Guarda Influencer. Jovem Guarda SS que quer assinar todos os contratos.

Ou então, não será nada.

* * Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião do Polêmica Paraíba