País

'Quem comete crime contra a vida deveria ter prisão perpétua', diz mãe de Eliza Samudio

'Quem comete crime contra a vida deveria ter prisão perpétua', diz mãe de Eliza Samudio

Sônia de Fátima Moura, mãe da modelo Eliza Samudio, criticou nesta sexta-feira, 19, a autorização da ida do ex-goleiro Bruno para o regime semiaberto e defendeu a prisão perpétua todos os que cometem crime contra a vida no País. Desde a morta de Eliza, em 2010, ela cuida do neto, filho do ex-atleta. “Ele sabe de tudo”, diz Sônia. “E tem medo do pai fora da cadeia.”

O ex-goleiro Bruno estava no regime semiaberto, teria cometido uma falta grave quando foi visto em um bar em Varginha. Essa falta foi anulada e, agora, ele retorna para o semiaberto, o que é previsto na legislação. Como a senhora avalia isso?

Acho que todas as pessoas que cometem crimes contra a vida no Brasil deveriam ser condenadas à prisão perpétua. Até poderia dar liberdade para ele. Mas, antes, deveriam dizer: “você vai sair, só que, antes, vai dizer onde está o corpo de Eliza”.

Desde o crime, em 2010, a senhora é a responsável pelo seu neto, filho de Eliza com Bruno. Ele tem conhecimento de tudo o que aconteceu?

Ele está com 9 anos. Sabe de tudo. Sabe que a mãe está morta e que o responsável é o pai. Hoje, viu a notícia de que o pai estava saindo da prisão. Começou a chorar e tentou se esconder de mim. Fui atrás e nos abraçamos. Ele tem medo do pai fora da prisão. Falo “pai”, mas Bruno não é pai. Pai é quem cria com amor e dedicação, aquele que apoia. Outro dia me perguntou onde estava o corpo da mãe. Eu disse que não sabia.

O que a senhora acha que pode ter acontecido com o corpo de sua filha?

Já achei tantas coisas que deixei de achar. Isso a Justiça tem de dar resposta. A mim, e ao meu neto. Nos devem isso.

Fonte: Terra

Créditos: Terra