País

Queimadas em Rondônia deixam a capital imersa em fumaça

Queimadas em Rondônia deixam a capital imersa em fumaça

Uma sucessão de incêndios em florestas e reservas por todo o Estado de Rondônia têm causado mortes, perdas e mudanças na rotina da população. Com queimadas se extendendo por vários dias, a fumaça mergulhou até a capital, Porto Velho, numa nuvem interminável de fumaça.

Focos de incêndio foram registrados em regiões diversas na última quinzena, em meio a um dos períodos mais secos do ano no Estado. Entre 6 e 16 de agosto, o Corpo de Bombeiros do Estado atendeu a mais de 210 ocorrências de queimadas.

Alguns destes focos atingiram locais que também abrigavam assentamentos e fazendas, representando um risco à vida. Na quarta-feira (14) um casal foi encontrado carbonizado em meio aos escombros de sua casa, no assentamento Galo Velho, a 350km de Porto Velho.

Ainda na zona rural do estado, fazendeiros começaram a abandonar seus terrenos e casas ao avistar o fogo se aproximando. No município de Nova União, uma queimada se alastrou por mais de 15 dias numa área de reserva ambiental.

http://

Esta atividade acabou por sufocar o céu rondonense com uma fumaça densa e persistente. A taxa reduzida de umidade do ar, além de propiciar o surgimento de novos incêndios, dificulta a dissipação da fumaça e seus componentes. Por todo o Estado, está em vigor um alerta para o tempo seco, com a umidade já atingindo 14% – valores abaixo dos 30% já passam a ser considerados prejudiciais para a saúde humana.

Outro fator de preocupação no aumento das queimadas está no aumento da concentração de monóxido de carbono (CO) na atmosfera. O CO é um gás produzido na combustão, reação química provocada pelos incêndios na vegetação. Em certos níveis, ele pode ser tóxico e até mesmo fatal ao ser humano. Na fronteira entre Rondônia e Bolívia, esta concentração está demasiadamente alta, acima dos 500 e, em alguns pontos, dos 1200 ppbv (partes por bilhão, medida de volume).

A métrica é fornecida pelo monitor de ventos Windy. Confira a seguir a mancha de monóxido de carbono registrada em áreas de queimada:

windy rondonia queimadasReprodução/windy.com

No domingo, outro foco foi registrado em uma área de vegetação na Zona Norte de Porto Velho, no bairro nacional. Moradores foram atendidos pela Brigada Municipal de incêndio, que ajudou a controlar as chamas e resfriar a área, como prevenção.

Entretanto, após a saída dos bombeiros, o local voltou a pegar fogo, forçando a população a agir por conta própria até o retorno da equipe.

Apesar das queimadas serem, em maior parte, atribuídas ao tempo seco, estudos também têm apontado uma relação entre esta prática e a mudança no regime de chuvas na região Norte do Brasil. Pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) e da Universidade da Califórnia, nos Estados Unidos, analisaram dados dos últimos 20 anos para verificar o efeito da devastação no clima de Rondônia – Estado que já perdeu 50% de sua mata original.

Fonte: Metrojornal

Créditos: Metrojornal