País

Mauricio Stycer | Record esconde notícia da canonização da primeira santa brasileira

Mauricio Stycer | Record esconde notícia da canonização da primeira santa brasileira

Irmã Dulce foi canonizada neste domingo no Vaticano pelo papa Francisco

Assunto de destaque no final de semana em todos os sites, nos jornais e na grande maioria dos canais de TV, a notícia da canonização de Irmã Dulce, a primeira santa nascida no Brasil, passou praticamente em brancas nuvens pela Record.

No sábado (12), véspera da cerimônia no Vaticano, o assunto teve enorme destaque nos telejornais noturnos das maiores emissoras. O "Jornal Nacional" (Globo) exibiu duas reportagens num total de 6 minutos e 20 segundos. O "SBT Brasil" igualmente apresentou duas matérias ao longo de 6 minutos. O "Jornal da Band" foi outro a mostrar duas matérias sobre o assunto num total de 5 minutos e 22 segundos. Os três telejornais produziram parte do material com repórteres em Roma.

A EBC (Empresa Brasil de Comunicação) também contou com equipe na Itália para produzir material jornalístico para a TV Brasil – o vice-presidente, Hamilton Mourão, representou o governo na cerimônia.

O "RedeTV News" não teve cobertura no local, mas mesmo assim não poupou esforços e apresentou uma grande reportagem de 5 minutos e 40 segundos sobre a canonização.

No "Jornal da Record" não houve nenhuma menção ao assunto. O Vaticano foi citado, de forma crítica, por realizar o Sínodo da Amazônia, numa reportagem do telejornal sobre a Conferência de Ação Política Conservadora realizada em São Paulo.

No "Domingo Espetacular", com três horas e meia de duração, a cerimônia religiosa realizada pela manhã no Vaticano não mereceu, igualmente, qualquer menção. Para os dois principais jornalísticos da Record no final da semana, a notícias não existiu.

Foi um boicote ainda mais radical do que o ocorrido na beatificação de Irmã Dulce, em 2011, passo anterior da canonização. Naquela ocasião, tanto o principal telejornal quanto a revista eletrônica dominical da Record falaram, ainda que modestamente, do assunto em reportagens.

Edir Macedo, dono da Record, é também fundador da Igreja Universal do Reino de Deus. Nos seus livros de memórias, a trilogia "Nada a Perder", ele faz críticas duras à Igreja Católica, a quem enxerga como "inimiga", ao lado da Globo, e acusa de conspirar contra a Universal. Esta crítica é reiterada nos dois filmes baseados na biografia já realizados.

Em vários intervalos da programação de domingo, a Record exibiu uma chamada sobre o jornalístico "Fala Brasil", que estreia novo cenário e apresentadora nesta segunda-feira (14). "A busca pela verdade é nossa obrigação", diz a chamada, realçando quatro palavras: respeito, confiança, agilidade e credibilidade.

Siga o blog no Facebook e no Twitter.