País

Cargos para o centrão | Bolsonaro nomeia indicado do PL para diretoria de fundo da educação

Cargos para o centrão | Bolsonaro nomeia indicado do PL para diretoria de fundo da educação

O presidente (sem partido) entregou a Diretoria de Ações Educacionais do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) ao PL, partido do ex-deputado Valdemar da Costa Neto, condenado no mensalão, ao nomear para o cargo Garigham Amarante Pinto, assessor do partido na Câmara, em portaria publicada hoje no Diário Oficial da União (DOU)

Vinculado ao Ministério da Educação, o FNDE é um dos fundos mais cobiçados por políticos, com orçamento de R$ 29,4 bilhões neste ano. Foi por meio do órgão que a pasta contratou uma empresa para fornecer kits escolares a estudantes que, segundo o Ministério Público (MP), está envolvida em um esquema que desviou R$ 134,2 milhões de dinheiro público da saúde e da educação na Paraíba.

No ano passado, o órgão foi alvo de uma disputa entre o presidente Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o ministro da Educação, Abraham Weintraub. Um indicado pelo deputado, Rodrigo Sérgio Dias, foi exonerado da presidência do fundo em dezembro.

Sob pressão de aliados e após sofrer sucessivas derrotas políticas, Bolsonaro passou nas últimas semanas a em troca de votos no Congresso, ressuscitando a velha prática do 'toma lá, dá cá'. No casamento de papel passado, o Progressistas e o Republicanos já foram contemplados

A primeira legenda, presidida pelo senador Ciro Nogueira (PI), alvo da Lava Jato, conseguiu emplacar um nome no comando do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs), autarquia com orçamento de R$ 1 bilhão neste ano.

O Republicanos, que tem o deputado Marcos Pereira (SP) à frente, também alvo da Lava Jato, ficou com a secretaria de Mobilidade Urbana do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Segundo líderes do centrão, mais nomeações de nomes ligados aos partidos estão previstas para os próximos dias. Ao menos nove órgãos, departamentos e empresas públicas surgem nas conversas de integrantes do grupo, que ainda tem Solidariedade, PSD e PTB.

O governo passou a negociar com o centrão em troca de apoio diante da escalada da crise política, acentuada pela demissão do ex-ministro da Justiça e Segurança Pública Sérgio Moro.

As acusações feitas pelo ex-juiz levaram a oposição a e contra Bolsonaro. Até então despreocupado com a manutenção de uma base sólida no Congresso Nacional, o presidente passou a recorrer ao centrão em busca de 'blindagem'.