País

BLACK FRIDAY DEPRESSÃO: Funcionários de redes de fast-food relatam pressão na guerra do consumismo

BLACK FRIDAY DEPRESSÃO: Funcionários de redes de fast-food relatam pressão na guerra do consumismo

Em meio a “ofertas imperdíveis”, os bastidores da guerra comercial no dia mundial do consumo revela a pressão das empresas e o desgaste de funcionários para atender uma demanda muitas vezes injustificada, impulsionada pelo efeito manada das campanhas publicitárias na busca de consumidores ávidos para tirar algum tipo de vantagem das gigantes transnacionais que controlam o mercado de fast food.

Na antevéspera da Black Friday deste ano, um texto de Evandro Nery, que se identifica como ex-funcionário do Mcdonald’s, viralizou nas redes, chegando a mais de 50 mil compartilhamentos no Facebook. Nele, o rapaz pede aos consumidores “empatia” com os funcionários da lanchonete e também da rival, Burguer King.

“Sexta feira ta vindo a grande black friday e não só o Mc quanto BK e outras redes de fast food farão grandes promoções para atrair o publico. Galera por favor, dias assim a carga de stress e a pressão em cima dos funcionários é muito grande, então tenham empatia, sejam educados e compreensivos que talvez pode haver uma demora fora do habitual por conta da grande demanda que vai ter em um único dia. Tenham respeito ao ser humano que esta la batalhando para ter o seu ganha pão”, escreveu.

O prenúncio da guerra foi cumprido pelas duas gigantes do fast food. Primeiro, o Burger King ofereceu 6 sanduíches por R$ 15. O McDonald’s contra-atacou com 2 lanches clássicos por R$ 4,90 e 10 cheeseburgueres a R$ 20 reais. A tréplica do Burguer King veio rápida, com 3 lanches por R$ 5.

Nos bastidores, os funcionários se entrincheiraram no bastião de patrões sem identidade para a sanha consumista. Nas redes sociais, alguns deram testemunho das batalhas.

No grupo BK da Depressão, no Facebook, funcionários da rede de fast food relataram o confronto, que se intensificou neste ano com as redes de aplicativos de entregas.

“Eu nem acredito que conseguimos sobreviver a isso. E que no final deu tudo certo. Sim, deu tudo certo, teve muito estresse, BK como esperado não estava preparado e isso nós já sabíamos, mercado pago conseguiu piorar tudo, mas a parte da união que eu disse, foi algo inexplicável, todos estávamos cansados ao extremo, e em momento algum nenhum de vocês quis abandonar o barco”, escreveu Bruna Rosa.

Em outras publicações, funcionários da rede mostram as habilidades em produzir e embalar as encomendas, muitas vezes em pedidos de centenas de lanches, e os adjetivos que chegam aos ouvidos com as filas intermináveis que se formavam em frente às lanchonetes.

“Genteee , fui xingada de VACA , SONSA , RETARDADA, ESTÚPIDA, IDIOTA , TROUXA , BABACA , KKKKKKK quanta intimidade que tinha com os clientes”, escreveu Fernanda Fredi.

Empresa lixo Entre os relatos, tiveram alguns que aproveitaram para escrever sobre o destrato da empresa com os funcionário – a Fórum optou por não divulgar nomes dos funcionários e links das publicações neste caso para preservá-los de possíveis represálias.

“Hoje o BK provou ser uma empresa lixo, de verdade, o foco no cliente virou o “maltrate meus colaboradores” … E eu não aguento mais isso não, não vale a pena por pouca coisa não, hoje eu vi que realmente os que estão em cima não estão nem aí para as “formiguinhas” que enchem o cu de grana deles, Aparti de hoje o BK receberá o que me der, não vai ser muita coisa não”, escreveu um dos funcionários na rede.

“As pessoas afirmam que deviamos ser muito gratos por termos um trabalho, por ganharmos um salário,que muitos nem tem isso e se reclamarmos somos chamados de fracos ou entao “porque nao pede as contas?” Na teoria tudo é tão bonito, mas quem trabalha no bk nem imagina quantos leões nós matamos por dia e quantos problemas pessoas e financeiros nos obrigam a ficar. Esta sendo uma das piores semanas da nossa vida e nossos chefões querem saber? Afinal enquanto a gente come um whopper e mal temos uniforme e sapato, eles estão lá rindo da nossa cara. Isso não é humano, isso não é viável, você nao vale um whopper, voce vale muito mais. Fé galera, a gente vai vencer muito ainda”, escreveu outra funcionária.