País

Pandemia | Sem dado oficial, ranking traz números defasados do Brasil

Pandemia | Sem dado oficial, ranking traz números defasados do Brasil

O site da conceituada Universidade Johns Hopkins, referência no monitoramento da covid-19 no mundo, passará a trazer dados defasados sobre a situação brasileira após o governo brasileiro retirar do site oficial da covid-19 os números consolidados sobre a pandemia no país.

Hoje, o Brasil chegou a aparecer com números "zerados" no levantamento. Em nota à imprensa, a universidade americana explicou:

"Em relação ao caso dos dados brasileiros, o Ministério da Saúde brasileiro suspendeu temporariamente a divulgação de dados sobre a covid-19 em seu site. Até que as informações voltem a estar disponíveis, iremos utilizar o último número oficial que temos disponível (04/04/2020). Assim que os dados forem disponibilizados, faremos as correções nas curvas históricas."

O fenômeno foi notado pela reportagem depois que o site oficial da covid-19 no Brasil foi republicado pelo Ministério da Saúde sem os números totais de casos e mortes.

Brasil aparece abaixo do Lesoto em ranking de casos da Johns Hopkins - reprodução/Johns Hopkins
Brasil aparece abaixo do Lesoto em ranking de casos da Johns Hopkins
Imagem: reprodução/Johns Hopkins

À exemplo do que ocorreu ontem com a atualização diária dos dados de diagnósticos, óbitos e curados, deixou de trazer números consolidados sobre a doença e o histórico de sua evolução desde o primeiro caso brasileiro.

Agora, o site apresenta apenas os dados incluídos nas últimas 24 horas na base de dados do governo — o que não significa que ocorreram de ontem para hoje.

A atualização na forma de divulgação dos números da covid-10 aconteceu após o presidente (sem partido) criticar a cobertura feita pela imprensa e afirmar: "É para pegar o dado mais consolidado. E tem que divulgar os mortos no dia. Ontem, por exemplo, dois terços dos mortos eram de dias anteriores. Tem que divulgar o do dia".

Ontem, o novo secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Carlos Wizard, afirmou que a pasta deveria recontar o número de mortes, alegando que os dados eram "fantasiosos ou manipulados". Um novo balanço foi prometido para o próximo mês.

"Eu acredito que vai ter um dado mais real, porque o número que temos hoje está fantasioso ou manipulado", disse Wizard ao jornal O Globo.

A mudança tem gerado críticas de diversos médicos e pesquisadores brasileiros.