Mundo

Rússia está interferindo nas eleições dos EUA em 2020, diz relatório

Rússia está interferindo nas eleições dos EUA em 2020, diz relatório
Putin cumprimenta Trump no G20: Documento diz que Rússia estaria favorecendo reeleição

Putin cumprimenta Trump no G20: Documento diz que Rússia estaria favorecendo reeleição

Kevin Lamarque / Reuters - 28.6.2029

Um relatório preparado e apresentado por oficiais da inteligência dos EUA a congressistas democratas e republicanos indica que a Rússia está interferindo nas eleições norte-americanas com o objetivo de reeleger o presidente Donald Trump. O conteúdo do documento foi divulgado primeiro pelo jornal The New York Times e, em seguida, fontes confirmaram o teor do relatório para outros veículos, incluindo a rede de TV CNN.

A participação da Rússia em ações de interferência na eleição dos EUA em 2016 foi alvo de uma longa investigação e se tornou um dos principais desafios políticos do governo de Donald Trump.

A Rússia é suspeita de ter sido responsável por atividades de hackers, especialmente no vazamento de e-mails comprometedores da então candidata democrata Hillary Clinton. Também seria a fonte de distribuição de informações e também fake news via redes sociais que serviriam para desestabilizar a campanha dos Democratas e o próprio processo eleitoral.

Interferência nas prévias dos Democratas

Embora outros alertas sobre a interferência russa nos processos políticos ter prosseguido depois das eleições de 2016 já tivessem sido feitos ao longo dos últimos anos, este documento apresentado em 13 de fevereiro aos congressistas especificou a intenção das ações, especialmente digitais.

O foco seriam as prévias do Partido Democrata, que já estão em andamento, e também as eleições gerais, que acontecem em novembro.

De acordo com fontes ouvidas pela CNN, o relatório aponta que o favorecimento a Trump não seria o único objetivo da Rússia, mas que as ações também estão sendo desenhadas para levantar dúvidas sobre a integridade dos processo eleitoral como um todo.

Um representante da Casa Branca disse à rede de TV que Trump teve um "encontro furioso" com atal diretor-interino Nacional de Inteligência, Jospeh Maguire, por permitir a divulgação do relatório.