Mundo

Os indígenas que acusam a Nike de pirataria e causaram cancelamento de lançamento de tênis

Os indígenas que acusam a Nike de pirataria e causaram cancelamento de lançamento de tênis

Etnia panamenha Guna diz que a empresa esportiva copiou sua ancestral arte têxtil chamada 'mola' e exige indenização.

Nike

  • BBC NEWS BRASIL
    • por

      A Nike teve que cancelar a comercialização de uma nova versão de seu clássico modelo de tênis Air Force 1 por conta de um desentendimento com um povo indígena.

      A multinacional norte-americana de roupas esportivas havia criado uma edição limitada do calçado que era descrita como sendo uma homenagem à ilha de Porto Rico. A ideia era que o lançamento acontecesse no dia 6 de junho, mas ele foi cancelado.

      "Pedimos desculpas para a representação incorreta da origem do desenho do Nike Air Force 1 Porto Rico 2019. Como resultado, este produto não estará mais disponível", disse a companhia em um comunicado.

      Mas o que aconteceu?

      Uma tradicional etnia indígena, a Guna, que vive principalmente em ilhas do Caribe na região do Panamá e Colômbia, denunciou a multinacional por usar no calçado um icônico desenho têxtil chamado "mola". A mola é um bordado feito à mão em que se usam linhas e agulhas finíssimas para bordar telas coloridas com desenhos geométricos e de animais.

      Os Guna alegam que a Nike usou os desenhos sem o consentimento deles ou uma consulta prévia.

      Em um comunicado, a comunidade Guna disse que a ação da Nike era "pirataria", porque a arte têxtil mola é protegida por uma lei nacional e considerada um patrimônio do povo panamenho. A arte é considerada propriedade intelectual dos Guna.

      Os Gunas são um dos sete grupos indígenas do Panamá - que juntos representam quase 15% de uma população de quatro milhões - e vivem principalmente na região do Caribe. Eles são conhecidos principlamente por causa da mola, que é um de seus principais meios de subsistência.

      A mola é usada em peças de vestimenta, quadros e objetos de decoração.

      Aresio Valiente, advogado que representa a comunidade, disse em entrevista coletiva na terça-feira que a retirada do modelo não é suficiente e que eles buscam compensação.

      "Já houve um dano porque foi utilizado nosso desenho, que faz parte da espiritualidade do povo Guna. Portanto, a empresa [Nike] tem que indenizar, porque foi uma cópia ilegal de nossos desenhos", disse Valiente à AFP.

      Belisario López, um líder tradicional da comunidade, disse em um comunicado que não se opõe à venda da mola, mas que incomoda que isso tenha sido feito sem consultá-los.

      Vamos procurar o caminho possível para que a empresa Nike reconheça que está usando um projeto que nos pertence", disse Lopez em entrevista à agência AP. "Não somos contra a nossa mola ser comercializada, mas sim que isso seja feito sem consulta prévia."

      BBC Brasil - Todos os direitos reservados - É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC