Mundo

'Não sobrou nada, só corpos': como ficaram as Bahamas após furacão

'Não sobrou nada, só corpos': como ficaram as Bahamas após furacão

Organização das Nações Unidas disse que 700 mil pessoas precisam de ajuda humanitária urgente após Dorian atingir o arquipélago

"Não sobrou nada, só corpos": Bahamas sofrem após passagem devastadora do Dorian

  • Reuters
    • por

      Moradores das Bahamas em choque verificavam os destroços de suas casas, e autoridades enfrentavam dificuldades para levantar o número de pessoas mortas pelo furacão Dorian, enquanto a , ameaçando provocar inundações recordes nesta quinta-feira (5).

      A Organização das Nações Unidas (ONU) disse que 700 mil moradores das Bahamas precisam de ajuda humanitária urgente depois da tempestade mais arrasadora a atingir o arquipélago.

      Imagens aéreas da Ilhas Abaco, no norte das Bahamas, que foram as mais atingidas, mostraram uma — o porto, lojas, locais de trabalho, um hospital e pistas de um aeroporto foram destruídos ou dizimados, frustrando os esforços de resgate.

      Uma das tempestades mais intensas já registradas no Caribe, o Dorian chegou a ser classificado como um furacão de categoria 5, a maior, quando As autoridades acreditam que o número de mortos aumentará, disse o primeiro-ministro Hubert Minnis em um boletim à imprensa, à medida que o .

      "Minha ilha de Abaco, não sobrou nada. Nem bancos, nem lojas, nada", disse Ramond A. King, morador de Marsh Harbour, enquanto inspecionava os restos de sua casa, que ficou sem o teto e cujos destroços se espalhavam ao redor. "Não sobrou nada, só corpos".

      Como os telefones não funcionam em muitas áreas, moradores publicaram listas de entes queridos desaparecidos nas redes sociais. Uma postagem do veículo de mídia Our News Bahamas no Facebook tinha 2.500 comentários, a maioria listando familiares perdidos.

      O Dorian matou uma pessoa em Porto Rico antes de pairar sobre as Bahamas durante dois dias com chuvas torrenciais e ventos intensos que criaram marés de tempestade de 3,7 a 5,5 metros de altura.

      A Carolina do Sul se preparava para uma maré de no destino turístico popular de Myrtle Beach, informou o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC) em um boletim.

      A tempestade estava cerca de 115 quilômetros ao sul-sudeste de Charleston, na Carolina do Sul, às 8h desta quinta-feira e rumava para o norte-noroeste a cerca de 13 quilômetros por hora, segundo o NHC, com ventos de 185 quilômetros por hora.

      Uma iniciativa de ajuda internacional está em andamento nas Bahamas. Uma embarcação da Marinha Real britânica está oferecendo assistência, e a Jamaica está enviando um contingente de 150 militares para ajudar a proteger as ilhas de Abaco e Grande Bahama, disseram autoridades.

      Copyright © Thomson Reuters.