Mundo

Maior levantamento sobre vegetação do mundo revela taxa de extinção alarmante

Foto: Design Pics/Shutterstock

Foto: Design Pics/Shutterstock

As plantas produtoras de sementes do mundo têm desaparecido a uma taxa de quase três espécies por ano desde 1900 – o que representa até 500 vezes maior do que o esperado como resultado se considerada apenas a ação das forças naturais, informa a maior pesquisa de extinção de vegetação já realizada.

O projeto analisou mais de 330 mil espécies e descobriu que as plantas nas ilhas e nos trópicos tinham mais probabilidade de serem declaradas extintas. Árvores, arbustos e outras plantas perenes lenhosas tinham a maior probabilidade de desaparecer, independentemente de onde estavam localizados. Os resultados foram publicados em 10 de junho na Nature Ecology & Evolution1.

O estudo fornece evidências concretas valiosas que ajudarão nos esforços de conservação, diz Stuart Pimm, cientista de conservação da Duke University em Durham, Carolina do Norte. A pesquisa incluiu mais espécies de plantas em uma ordem de grandeza do que qualquer outro estudo, diz ele. “Seus resultados são extremamente significativos”.

Uma compilação cuidadosa

O trabalho se baseia em um banco de dados compilado pelo botânico Rafaël Govaerts no Royal Botanic Gardens, Kew, em Londres. Govaerts iniciou o banco de dados em 1988 com intenção de rastrear o status de todas as espécies de plantas conhecidas.

Como parte desse projeto, ele procurou por toda a literatura científica e criou uma lista de espécies de plantas que produzem sementes que foram extintas, e observou quais espécies de cientistas consideraram extintas, mas que mais tarde foram redescobertas.

Em 2015, Govaerts se uniu à bióloga evolutiva de plantas Aelys Humphreys, da Universidade de Estocolmo, na Suécia, e a outros mais para analisar os dados. Eles compararam taxas de extinção em diferentes regiões e características, tais como se as plantas eram anuais (que dão sementes a cada ano) ou perenes que perduram ano após ano.

Os pesquisadores descobriram que cerca de 1.234 espécies haviam sido extintas desde a publicação do compêndio de espécies de plantas de Carl Linnaeus, Species Plantarum, em 1753. Mas mais da metade dessas espécies foram redescobertas ou reclassificadas como outra espécie viva, significando que 571 ainda são presumidas. extinto.

Um mapa de extinções de plantas produzido pela equipe mostra que a flora em áreas de alta biodiversidade e populações humanas florescentes, como Madagascar, as florestas tropicais brasileiras, Índia e África do Sul, estão em maior risco (ver “Padrão de extinção”).

Humphreys diz que as taxas de extinção nos trópicos estão além do que os pesquisadores esperam, mesmo quando são responsáveis pela maior diversidade de espécies nesses habitats. E as ilhas são particularmente sensíveis porque provavelmente contêm espécies que não são encontradas em nenhum outro lugar do mundo e são especialmente suscetíveis a mudanças ambientais, diz Humphreys.

Escala de destruição em massa

Embora os pesquisadores tenham curado (analisado) cuidadosamente o banco de dados de extinção de plantas, os números do estudo são quase certamente uma subestimava do problema, diz Jurriaan de Vos, um filogeneticista da Universidade de Basel, na Suíça. Algumas espécies de plantas são “funcionalmente extintas”, observa ele, e estão presentes apenas em jardins botânicos ou em números tão pequenos na natureza que os pesquisadores não esperam que a população delas sobreviva.

“Você pode dizimar uma população ou reduzir uma população de mil até um apenas e dizer que a coisa ainda não está extinta”, diz de Vos. “Mas isso não significa que está tudo bem”.

E poucos pesquisadores têm o dinheiro ou tempo suficientes para iniciar um esforço abrangente na intenção de encontrar uma espécie de planta que eles acham que pode ter sido extinta. As paisagens podem mudar muito em um período de tempo relativamente curto, por isso é difícil saber se uma espécie realmente desapareceu sem um acompanhamento extenso, diz De Vos.

Ele se lembra de sua própria caça por Camarões para reunir espécies de begônias de flores amarelas para sequenciamento de DNA. De Vos visitou vários locais onde os registros indicaram que outros pesquisadores haviam coletado as plantas em décadas passadas. Mas às vezes ele chegava a um local apenas para encontrar uma paisagem radicalmente alterada.

“Você sabe que é uma espécie de floresta tropical, mas você está em uma cidade”, diz de Vos. “Então você percebe o quão massiva foi a escala de destruição ou mudança no uso da terra nos últimos 50 ou 80 ou 100 anos”.

Gratidão por estar conosco! Você acabou de ler uma matéria em defesa dos animais. São matérias como esta que formam consciência e novas atitudes. O jornalismo profissional e comprometido da ANDA é livre, autônomo, independente, gratuito e acessível a todos. Mas precisamos da contribuição, independentemente do valor, dos nossos leitores para dar continuidade a este imenso trabalho pelos animais e pelo planeta. DOE AGORA