Mundo

Itália: governo de coalizão consegue voto de confiança no Senado

Itália: governo de coalizão consegue voto de confiança no Senado

Esse era último passo necessário para assumir posse. 169 senadores do Movimento 5 Estrelas, PD e partido de esquerda Livres, votaram a favor

Da EFE

O governo da Itália formado pela obteve nesta terça-feira (10) o voto de confiança no Senado, que significa o último passo para sua posse.

Votaram a favor 169 senadores, na sua maioria do M5S, PD e do partido de esquerda Livres e Iguais, que está à frente do Ministério da Saúde.

Já os votos contra foram 133, procedentes dos partidos ultradireitista Liga, o conservador Força Itália e o ultranacionalista Irmãos da Itália. Houve cinco abstenções.

Desta forma, a Itália encerra a crise política desencadeada no mês passado pelo líder da Liga e agora ex-ministro do Interior, Matteo Salvini, o grande derrotado desse processo e que ficou relegado à oposição.

Em discurso no Senado, o primeiro-ministro da Itália, Giuseppe Conte, que volta ao cargo, criticou a arrogância de Salvini e a considerou responsável pelo começo da crise, dando por rompida a coalizão anterior entre M5S e a Liga.

Conte enumerou os próximos passos que serão dados por seu gabinete, entre os quais citou a redução da pressão fiscal para famílias e empresas e os incentivos à contratação de jovens, com o objetivo de que a taxa de desemprego entre nessa faixa etária caia do 28,9% atual.

Ele também propôs que o Parlamento aprove uma lei sobre eutanásia, apesar de ter reconhecido que não é um tema incluído no programa político do M5S e do social-democrata PD.

Além disso, expressou a satisfação porque a futura presidenta da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, encarregou Paolo Gentiloni, ex-chefe de Governo italiano e membro do PD, à pasta de Economia.

Na sessão no senado, Salvini também discursou e reiterou o mantra dos últimos dias. Segundo ele, a Itália deveria realizar eleições antecipadas.

"O orgulho e a dignidade valem mais que qualquer ministério. Nós, antidemocratas (da Liga), colocamos sobre a mesa sete ministérios para poder votar. Subestimamos a fome do poder", criticou.

Salvini garantiu não ter inveja de Conte, que volta ao cargo de premiê depois de tê-lo ocupado por 14 meses como líder da aliança entre M5S e a própria Liga, e adiantou que recolherá assinaturas para mudar a atual lei eleitoral.

Ele quer um sistema proporcional que premie as coalizões, o que beneficiaria a união de direitas formada por seu partido, o Força Itália, do ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi, e o Irmãos da Itália.