Mundo

Irã diz que sanções dos EUA afetam diretamente seus cidadãos

Irã diz que sanções dos EUA afetam diretamente seus cidadãos

Ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, disse que 'terrorismo econômico' atinge os cidadãos, além de ser 'ilegal e desumano'

Irã diz que sanções dos EUA afetam diretamente seus cidadãos

Da EFE

O ministro das Relações Exteriores do Irã, Mohammad Javad Zarif, disse nesta quarta-feira (18) que os Estados Unidos estão atacando "deliberadamente" os cidadãos iranianos com a nova decisão de intensificar suas sanções.

Em uma mensagem no Twitter, Zarif ressaltou que o "terrorismo econômico", como se refere às sanções americanas, é "ilegal e desumano".

"Detenha a guerra e o terror. Queremos segurança para todos", acrescentou o chanceler, pouco após que o presidente americano, Donald Trump, informasse ter ordenado um "aumento substancial" das sanções contra o Irã.

Assim como Trump, o Departamento do Tesouro também não divulgou mais detalhes sobre as sanções adicionais, que aumentam as outras impostas ao Irã desde o ano passado, quando os EUA deixaram unilateralmente o acordo nuclear de 2015.

Essa decisão coincide com a ameaça de hoje do governo iraniano de dar uma resposta "arrasadora" a uma eventual ataque de Washington.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, chegou hoje à Arábia Saudita para coordenar a resposta de seu país aos ataques do último sábado contra petrolíferas sauditas, onde Washington responsabilizou o Irã, que por sua vez negou seu envolvimento.

A investigação ainda está em andamento, mas o porta-voz do Ministério da Defesa saudita, Turki al-Maliki, afirmou hoje que os ataques contra a Aramco foram efetuados com 18 drones e 7 mísseis de cruzeiro iranianos.

Ele garantiu que o ataque "foi inquestionavelmente apoiado pelo Irã", embora tenha evitado responder a reiteradas perguntas sobre se o ataque veio da nação dos aiatolás.

Os ataques foram reivindicados pelos rebeldes houthis, apoiados pelo Irã, que frequentemente atingem o território saudita em resposta à intervenção militar da coalizão liderada por Riad no Iêmen.