Mundo

Atrás nas pesquisas, Trump diz que Biden é contra Deus e armas

Atrás nas pesquisas, Trump diz que Biden é contra Deus e armas

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, disse na quinta-feira (6) que seu adversário democrata nas eleições de novembro nos EUA, Joe Biden, é “contra Deus”, apesar de Biden frequentemente discutir como sua fé católica guiou suas ações como autoridade pública.

Após falar a um pequeno público no aeroporto de Cleveland, na quinta-feira, Trump deu um discurso com tom de campanha em uma fábrica da Whirpool, em Clyde, Ohio.

Com Trump, que é republicano, atrás de Biden em quatro pesquisas recentes em Ohio, o presidente briga por votos no tradicional Estado pêndulo, com o coronavírus ameaçando suas chances de conseguir um segundo mandato.

“Ele está seguindo a agenda da esquerda radical: tomar nossas armas, destruir a Segunda Emenda, sem religião, sem nada, machucar a bíblia, machucar Deus”, disse Trump, sobre Biden, em seu discurso em Cleveland. “Ele é contra Deus.”

A Segunda Emenda da Constituição dos Estados Unidos dá aos norte-americanos o direito de portar armas.

Religião na política dos EUA

Trump não explicou o que quis dizer. Sua acusação, no entanto, pode solidificar o apoio do grande bloco cristão do seu partido e também danificar a imagem que os eleitores têm de Biden, o primeiro vice-presidente católico na história dos Estados Unidos.

John Kennedy foi o primeiro e único católico eleito presidente, em 1960.

Em um comunicado na noite de quinta-feira, Biden disse que o ataque de Trump era “vergonhoso” e que a fé foi a pedra angular de sua vida.

“Os comentários do presidente Trump revelam mais sobre ele do que sobre qualquer outra pessoa. Mostram um homem disposto a qualquer golpe baixo por vantagens políticas e alguém cujas ações são completamente dissonantes dos valores e ensinamentos nos quais ele declara acreditar”, disse Biden.

Mais de três quartos dos norte-americanos são cristãos ou praticam outra religião, segundo o Centro de Pesquisas Pew. Trump vem sendo prejudicado politicamente pela sua resposta à pandemia de coronavírus que recentemente tem matado mais de mil norte-americanos por dia.

Embora fale muito pouco sobre sua própria fé presbiteriana, e raramente vá à igreja, Trump trabalha em proximidade com cristãos evangélicos e coloca suas causas de restringir o aborto e preservar o porte de armas no topo da sua agenda política.

Copyright © Thomson Reuters.