Geral

Vendedor agredido por seguranças | Caso foi em estação da CPTM; empresa diz que grupo jogava pedras

Vendedor agredido por seguranças | Caso foi em estação da CPTM; empresa diz que grupo jogava pedras

O vendedor ambulante Cesar Augusto Souza de Oliveira, 19 anos, denunciou nas redes sociais ter sido agredido com golpes de cassetete por seguranças da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos), nesta quinta-feira (2/7).

No momento da agressão, Cesar contou ao site Ponte Jornalismo que não estava trabalhando nos trens e que conversava com um amigo no terminal de ônibus da estação Francisco Morato, por volta das 17h30.

"A gente estava no terminal quando os guardas decidiram abordar meu amigo dizendo que ele estava jogando pedra, mas não estava", conta. "Depois, eles começaram a discutir e eu tentei conversar, falando para eles que a gente só queria ir embora para casa e que não precisavam ficar encostando na gente", continua.

Depois dessa discussão, segundo ele, ao se virar de costas, um guarda teria o agredido com um cassetete. "Meu amigo correu e eles me levaram para salinha, me bateram muito, apanhei de cassetete, levei bica na cara, nas costelas, coronhada apanhei de todo jeito e de muitos ao mesmo tempo, algemado sem ter como se defender", relatou à Ponte. Ele afirma que levou sete pontos na cabeça.

Em imagens gravadas por celulares, é possível ver um dos seguranças dando um golpe de enforcamento no rapaz próximo às escadas rolantes da estação e o levando para dentro de uma sala.

Em outra filmagem, com o rosto ensanguentado, o rapaz grita várias vezes apontando para um dos seguranças "me bateram algemado na salinha", enquanto saía da estação acompanhado de policiais militares.

Rapaz publicou imagens no Facebook: "me bateram algemado" - Reprodução/Ponte Jornalismo - Reprodução/Ponte Jornalismo
Rapaz publicou imagens no Facebook: "me bateram algemado"
Imagem: Reprodução/Ponte Jornalismo

Uma mulher que se identifica como mãe do jovem diz "vocês bateram no meu filho, meu filho não é bandido". Na sequência, eles entram numa viatura do 22º Batalhão da PM.

Cesar e o amigo foram levados ao DP de Francisco Morato. No boletim de ocorrência, tanto os dois quanto um dos seguranças, Bernardo Alves da Silva, são apontados como autores e vítimas de agressões.

O segurança afirmou, no B.O., que os dois estavam arremessando pedras na cabine que serve de abrigo para os vigilantes da estação. Ao se encaminhar até a dupla, disse que um deles desferiu um soco contra ele e que Cesar tentou pegar sua tonfa (espécie de cassetete).

Outro lado

A CPTM afirmou, em nota, que quatro pessoas estariam sentadas num muro da estação Francisco Morato, da Linha 7-Rubi, e "começaram a jogar latas, garrafas e pedras na direção da plataforma 2, colocando em risco os passageiros que aguardavam o trem".

A companhia declarou que agentes foram acionados e dois deles foram agredidos e, por isso, acionou apoio da PM, que conduziu dois indivíduos ao DP (Distrito Policial) do município, onde foi registrado boletim de ocorrência de lesão corporal e depois foram liberados.

Já a assessoria de imprensa da PM declarou que foi acionada para "socorrer um indivíduo ao pronto-socorro" e que o apresentou ao DP de Francisco Morato.

Este texto foi publicado originalmente no site Ponte Jornalismo.