Geral

Tecnologia | Rival da Alexa, alto-falante do Google finalmente será vendido no Brasil

Tecnologia | Rival da Alexa, alto-falante do Google finalmente será vendido no Brasil

O Google confirmou nesta terça-feira (15), em um evento em Nova York (EUA), que seus alto-falantes inteligentes chegarão ao Brasil em breve —embora não tenha dado data (sequer confirmou que ele chega neste ano). O que já se sabe é que o primeiro modelo que desembarca em nosso país é o Google Nest Mini, sucessor do Google Home Mini.

Febre nos Estados Unidos, o alto-falante inteligente estará disponível em nosso território "nos próximos meses", ainda sem preço definido, segundo a companhia. Nos Estados Unidos, o aparelho custará US$ 49 (R$ 203) e estará à venda no dia 22 de outubro.

A nova versão tem a mesma cara da antiga, mas traz algumas diferenças. O áudio ficou mais poderoso, com sons graves duas vezes mais potentes do que no modelo anterior. A captação de voz também melhorou, graças à inclusão de um terceiro microfone. Outras mudanças estão em uma espaço na traseira do dispositivo para quem quiser pendurá-lo na parede e no material usado para produzir o tecido: garrafas recicladas de plástico .

O Google Nest Mini será o segundo produto físico que a empresa disponibilizará nas lojas brasileiras —atualmente, só temos o Chromecast sendo vendido oficialmente.

Nem o aguardado celular Pixel 4, nem os outros modelos da linha Home (que está virando Nest) tem qualquer previsão de chegar ao Brasil, mas a chegada o Google Nest Mini pode indicar uma nova postura da empresa em relação ao nosso mercado.

O anúncio também acontece semanas depois de a Amazon, grande rival do Google neste segmento, largar na frente e lançar a linha Amazon Echo no Brasil, que vem com a Alexa em português.

O que é o Google Nest Mini?

O aparelho é uma pequena caixa de som que conta com uma assistente de voz embutida, capaz de fazer diversas ações a partir de comandos por voz. Você pode pedir para o objeto tocar música, controlar dispositivos da casa inteligente, criar calendários, responder a questões e mais.

Nos EUA, é um sucesso para automatizar tarefas da vida dos usuários e integrar aparelhos "smart", algo que ainda engatinha no Brasil.

*O repórter viajou a convite do Google