Geral

SUV ficou mais caro e perdeu itens | Ford EcoSport Freestyle agrada, mas o problema é a concorrência

SUV ficou mais caro e perdeu itens | Ford EcoSport Freestyle agrada, mas o problema é a concorrência

Se existe um SUV que teve tempo para ser aprimorado, ele é o Ford EcoSport. É o primeiro utilitário esportivo compacto produzido no Brasil, lançado em 2003, produzido sobre a mesma plataforma do Fiesta. Mas essa longevidade tem prós e contras na prática.

UOL Carros testou a versão de visual aventureiro EcoSport Freestyle, configuração mais vendida e que recebeu mudanças pontuais na linha 2020. O preço subiu: com câmbio manual de cinco marchas, o Freestyle passou de R$ 85.990 para R$ 87.290, enquanto a opção automática de seis velocidades custava R$ 91.890 e agora sai por R$ 93.290.

Perdas e ganhos

Vamos primeiro ao lado positivo: o Eco é um produto maduro, que evoluiu muito ao longo desses 16 anos, inclusive com base em reclamações dos clientes. Especialmente após o facelift da segunda geração aplicado em meados de 2017, quando a cabine foi totalmente repaginada, para fazer frente à concorrência -- cada vez maior.

Além disso, ganhou a opção do moderno motor 1.5 flex de três cilindros, 137 cv e 16,2 kgfm -- com bloco e cabeçote de alumínio. Também trocou o problemático câmbio Powershift de dupla embreagem pelo automático convencional, dotado de conversor de torque e seis marchas -- mais confiável.

Porém, a ótima central multimídia Sync 3, com tela tátil de oito polegadas, foi trocada pela Sync 2.5, de sete polegadas. Traz apenas uma porta USB no console central (eram duas) e não conta com o sistema AppLink para instalar aplicativos diretamente no veículo.

O Eco Freestyle também traz faróis mais simples, sem os projetores nem as luzes diurnas de LEDs integradas.

Bom de dirigir

Rodamos com uma unidade automática e adiantamos: é um bom carro. A primeira boa impressão se dá ao entrar na cabine. O acabamento geral é acima da média, com destaque para a parte superior do painel, macia ao toque. A impressão geral é de qualidade, incluindo uma porção generosa de material imitando couro no painel interno das portas. Bancos trazem revestimento mesclando imitação de couro e tecido.

O volante multifuncional tem boa empunhadura, o painel de instrumentos, boa legibilidade. As informações do computador de bordo são exibidas em uma tela colorida de 4,2 polegadas. Graças aos ajustes de altura do banco do motorista e de altura e profundidade do volante, é fácil encontrar a posição ideal para dirigir.

E a central multimídia, embora mais simples, ainda é uma das melhores do mercado. Tem Apple CarPlay e Android Auto -- isso significa a possibilidade, por exemplo, de navegar pelo Waze diretamente na tela do veículo.

Como citamos antes, a longevidade tem seu lado negativo: o espaço interno reduzido, que perde para a maioria dos concorrentes diretos. Seu entre-eixos de 2,52 metros é ligeiramente menor que o do Chevrolet Onix, por exemplo, enquanto o porta-malas de apenas 356 litros é um ponto fraco para quem busca um SUV.

Ao volante, a história é outra. Equipado com motor 1.5, anda bem tanto no circuito urbano quanto no rodoviário e quase não se nota as vibrações típicas de motores tricilíndricos -- muito por conta do uso de mancais hidrodinâmicos. O câmbio faz bem o seu trabalho, com trocas suaves e reduções de marcha rápidas, assim que você pisa mais fundo no acelerador. Isso tudo com menor consumo na comparação com o 2.0 flex de 176 cv, exclusivo da versão Storm.

Segundo o Inmetro, o Eco Freestyle faz 11,6 km com um litro de gasolina na cidade e 13,1 km na estrada -- com etanol, os números caem, respectivamente, para 8,3 km/l e 9 km/l.

Também agradam o acerto das suspensões, um pouco mais firme que a média, e a calibração da direção elétrica progressiva, que reduz a assistência à medida que a velocidade sobe, em nome da segurança. É um carro bem "na mão", apresentando pouca inclinação nas curvas, ao mesmo tempo sem comprometer o conforto a bordo.

Divulgação
Cabine traz materiais agradáveis ao toque, como a parte superior do painel emborrachada. Central multimídia ficou mais simples Imagem: Divulgação

FICHA TÉCNICA
Ford EcoSport Freestyle 2020
Motor: 1.5, flex, Ti-VCT, 3 cilindros
Potência: 130/137 cv (etanol/gasolina)
Torque: 15,6/16,2 kgfm (gasolina/etanol)
Câmbio: 5 marchas manual ou 6 marchas automático
Dimensões: 4,27 m (comprimento), 2,52 m (entre-eixos)
Porta-malas: 356 litros
Preço: R$ 87.290 (manual) e R$ 93.290 (automático)

Quer ler mais sobre o mundo automotivo e conversar com a gente a respeito? Participe do nosso grupo no Facebook! Um lugar para discussão, informação e troca de experiências entre os amantes de carros. Você também pode acompanhar a nossa cobertura no Instagram de UOL Carros.