Geral

Recebeu apoio | Médica agredida pede justiça em protesto no Rio: 'Foi inaceitável'

Recebeu apoio | Médica agredida pede justiça em protesto no Rio: 'Foi inaceitável'

Um ato reuniu cerca de 200 pessoas, entre moradores e amigos, para protestar contra agressão a Ticyana Azambuja, 35, ocorrida no último sábado (30) no Grajaú, bairro da zona norte do Rio. A médica, que também participou da manifestação na Praça Edmundo Rêgo, a principal do bairro, pediu justiça e que casos como o dela não se repitam.

"Eles me derrubaram, mas vocês me levantaram. Não é pelo caminho da barbárie que resolveremos isso. Não desejo o que fizeram comigo nem para quem me agrediu. Precisamos mostrar que coisas como essa são inaceitáveis. É pelo caminho da justiça que tudo vai se resolver", disse ela.

Ticyana tocou a campainha da casa onde acontecia o "Baile da Covid" para pedir que diminuíssem o volume e respeitassem a vizinhança. Ao ouvir como resposta um palavrão, ela quebrou o retrovisor e trincou o vidro traseiro de um carro estacionado irregularmente na calçada em frente à casa (veja imagens abaixo).

Em seguida, frequentadores da festa saíram da casa e começar a espancá-la. A médica teve o joelho esquerdo fraturado e sofreu lesões nas duas mãos, que foram pisoteadas pelos agressores. No muro ao lado da casa onde aconteceu a festa, uma unidade do Corpo de Bombeiros nada fez para conter a aglomeração irregular nem as agressões.

"O Grajaú não é olhado pela prefeitura, pelo governo, temos que levar isso a sério. É inadmissível uma mulher apanhar. Temos que resolver isso na Justiça", afirmou Nicinha, presidente da Amgra (Associação de Moradores do Grajaú).

O ato pacífico tinha em sua maioria mulheres moradoras do bairro e foi acompanhado de perto pela Guarda Municipal e Polícia Militar. Carros que passavam pelas vias em volta da praça buzinavam em apoio.

Dez minutos depois do início da concentração, Ticyana desceu de um carro e caminhou em direção à manifestação, sendo bastante aplaudida e emocionando às pessoas que estavam no local.

Fotos registram as agressões sofridas pela médica Ticyana Azambuja

1 / 12

1.jun.2020 - A médica Ticyana Azambuja aparece em uma imagem enquanto quebra o vidro traseiro do carro de um dos frequentadores da festa clandestina, estacionado irregularmente

Reprodução
2 / 12

1.jun.2020 - Frequentadores de balada clandestina no Rio deixam o local após carro ser depredado

Reprodução
3 / 12

1.jun.2020 - Um deles alcança a médica, que fugiu correndo, e a carrega nas costas

Reprodução
4 / 12

1.jun.2020 - Uma mulher de calça vermelha, uma das primeiras a sair da casa clandestina no começo da confusão, puxa os cabelos da médica, enquanto ela é arrastada

Reprodução
5 / 12

1,jun.2020 - Um outro homem se aproxima e agride a médica a socos

Reprodução
6 / 12

1.jun.2020 - Em outra imagem, os dois homens conduzem a médica, antes de ela ser jogada ao chão e sofrer uma fratura no joelho esquerdo

Reprodução
7 / 12

1.jun.2020 - Uma moradora se aproxima para tentar impedir as agressões

Reprodução
8 / 12

1.jun.2020 - Policial militar Luiz Eduardo dos Santos Salgueiro, que estava em balada clandestina do Rio, observa o seu carro, que teve o vidro traseiro quebrado. Ele aparece de blusa preta, ao lado direito do veículo. Bombeiros aparecem na imagem. Ticyana diz que pediu a eles que impedissem as agressões, mas não foi atendida

Reprodução
9 / 12

1.jun.2020 - Mulher fotografada agredindo a médica Ticyana Azambuja aparece em outra imagem, abraçada ao policial militar Luiz Eduardo dos Santos Salgueiro, frequentador da balada clandestina do Rio que teve o carro depredado

Reprodução
10 / 12

1.jun.2020 - O policial militar Luiz Eduardo dos Santos Salgueiro observa o carro (na imagem, o agente é fotografo de costas; atrás do veículo)

Reprodução
11 / 12

1.jun.2020 - Em outra imagem de divulgação da balada clandestina do Rio, copo é decorado com o "meme dos caixões", em homenagem ao aniversariante de um dos eventos

Reprodução
12 / 12

1.jun.2020 - Balada clandestina do Rio tem copos customizados. Nesse, se refere ao evento como "Baile do covid-19"

Reprodução

Protesto no Grajaú

O ato aconteceu a uma distância de menos de 1 km entre a praça —local de encontro dos manifestantes— e a unidade do Corpo de Bombeiros, ao lado de onde se deu a agressão. O UOL apurou que a casa onde foi realizada a festa é alvo de recorrentes reclamações de moradores.

Muitas pessoas acompanharam o ato também de suas janelas e varandas pelas ruas onde a manifestação era realizada. Moradores do bairro fizeram até mesmo um panelaço enquanto ocorria a passeata.

A caminhada começou com todos cantando a música "Apesar de você", de Chico Buarque, que fala implicitamente da falta de liberdades e supressão de direitos no contexto da ditadura militar no Brasil. Ticyana pediu que críticas a políticos e à PM fossem evitadas na manifestação, mas em coro, todos pediram a saída do presidente (sem partido).

Em acordo com a família de Ticyana, a PM foi à frente do movimento garantindo a segurança do protesto. A presença da PM, inclusive, foi criticada por alguns presentes, já que no sábado, a corporação demorou a chegar ao local para parar a festa — algo não permitido durante a pandemia de coronavírus —, o que acabou ocasionando na agressão.