Geral

Perdeu 4 GTS RS | Porsche reabre linha para refazer carros para o Brasil após naufrágio

Perdeu 4 GTS RS | Porsche reabre linha para refazer carros para o Brasil após naufrágio

O naufrágio de um navio italiano de transporte, na última semana, em águas internacionais entre França, Espanha e Portugal provocou a perda de quase mil carros zero-quilômetro -- modelos importados por marcas como Porsche, Audi, Volvo, Mercedes-Benz, BMW --, que estavam destinados ao Brasil. UOL Carros apurou que o incidente com a embarcação "Grande América" (operado pela empresa Grimaldi Lines), destruiu também quatro unidades do exclusivíssimo -- e esgotado -- Porsche GT2 RS, modelo que tem preço médio acima de R$ 2 milhões, mas cujo valor final costuma ultrapassar este patamar por conta do grau extremo de personalização.

Segundo a Porsche, porém, as quatro unidades encomendadas por compradores brasileiros serão fabricadas novamente. Detalhe saboroso da história: a fábrica de Zuffenhausen, ao norte de Stuttgart (Alemanha), não produz mais o GT2 RS desde fevereiro. A unidade já estava inteiramente voltada à entrega da nova geração do Porsche 911 -- você pode, inclusive, ler nossa avaliação quentinha do Porsche 911 992.

"A Porsche Brasil conseguiu interceder junto à matriz. Por ser um carro exclusivo, a Porsche vai reabrir a linha de produção para fabricar essas quatro unidades exatamente da maneira como foram encomendadas, para atender a esses clientes", afirmou fonte ligada à empresa ouvida por UOL Carros.

Segundo o informante, cada um dos quatro carros tinham preço médio entre R$ 2,1 e R$ 2,5 milhões por conta do alto nível de customização feita a pedido dos compradores. As unidades do 911 GT2 RS faziam parte de um lote total de 37 carros da Porsche a bordo do "Grande America".

Porsche GT2 RS quebrou recorde

Versão hiper-anabolizada do 911 Turbo, o 911 GT2 RS supercarro alemão fez sua última participação pública em terras brasileiras durante o Salão do Automóvel de São Paulo 2018, em novembro. Globalmente, o modelo foi lançado em 2017. Nele, a fórmula do 911 é levada ao extremo.

Motor é o boxer de seis cilindros, biturbo, de 3,8 litros, preparado para entregar 700 cavalos e 76,5 kgfm, além é claro do câmbio de dupla embreagem (PDK) que despeja a potência sobre as rodas traseira.

Segundo dados oficiais, a combinação, no caso do GT2 RS, permite o 0-100 km/h em 2,8 segundos, com velocidade máxima de 340 km/h. Tamanha força permitiu ao cupê registrar tempo recorde em Nürburgring , com 6min47,3 para o circuito de mais de 20 quilômetros.

Gigantescas tomadas de ar no para-choque dianteiro, fendas de respiro de freios e trem-de-força nas abas do para-lamas dianteiros e traseiros; teto, capô, asa gigantesca e para-choque traseiro feitos de composto leve; cabine reforçada, e ao mesmo tempo aliviada de componentes, para permitir melhor performance em pista. Tudo isso faz parte da receita do Porsche GT2 RS -- e tudo pode ser alterado ao gosto do cliente.

Com essa receita, o Porsche 911 GT2 RS consegue ser ainda mais brutal (e caro) que o GT3 RS (R$ 1,2 milhão), também apresentado durante o Salão de São Paulo e testado em Interlagos por UOL Carros.

Naufrágio

Enquanto navegava entre França e Portugal, em escala programada a caminho do Brasil (a embarcação também passaria pela África), o navio "Grande America" teve problema com parte da carga, que pegou fogo. Além de carros e implementos, o navio transportava produtos perigosos, como ácido clorídrico, ácido sulfúrico e óleo.

Acionada, a Guarda Costeira resgatou 26 tripulantes, mas não conseguiu conter o incêndio, que se espalhou e provocou o naufrágio. Autoridades acreditam que a carga esteja submersa a 4 mil metros de profundidade, mas os volumes líquidos estão provocando a poluição do mar.