Geral

Opinião - Stycer | Reportagem de revista sobre nora do presidente alimenta guerra contra a mídia

Opinião - Stycer | Reportagem de revista sobre nora do presidente alimenta guerra contra a mídia

Heloisa e Eduardo Bolsonaro em maio, em foto divulgada do casamento do casal

Num momento de grande tensão nas relações entre o governo e a mídia, a revista "Época", do Grupo Globo, publicou uma reportagem sobre o trabalho de orientação pessoal e profissional ("coaching") oferecido pela psicóloga Heloisa Wolf Bolsonaro.

Um repórter da revista se submeteu a cinco sessões de "coaching" online promovidas pela psicóloga e as gravou. A longa reportagem publicada a partir destes encontros não traz nenhum fato desabonador sobre a profissional e, em algumas passagens, chega a parecer promocional.

Ainda assim, como seria previsível, o mundo desabou. Uma das críticas principais foi ao método utilizado pelo repórter João Paulo Saconi – ele não se identificou como tal ao procurar a profissional.

Jornalistas não são obrigados a se identificar para obter informações de interesse público. Há inúmeros casos de descobertas importantes feitas desta forma. Resta saber se o tema da reportagem justificava esta abordagem e o esforço feito para realizá-la. Na minha opinião, diante do exposto na matéria, não se justificou.

O presidente Jair Bolsonaro classificou o conteúdo da reportagem como exemplo de uma "imprensa sem limites" e atacou nominalmente o autor do material, acusando-o de ter quebrado uma regra ética. "[Ele] fez sessões com minha nora Heloísa e gravou tudo. O que deveria ficar apenas entre os dois, por questão de ética, agora vem a público", criticou.

Marido de Heloisa, Eduardo Bolsonaro se disse "perplexo com a covardia do repórter" que fez a matéria. "Imaginava que poderia haver um limite entre o profissional e o pessoal", escreveu, acrescentando que vai tomar medidas judiciais por causa "deste notório crime contra minha família".

A Secretaria Especial de Comunicação Social da Presidência (Secom) saiu em defesa da mulher do deputado, classificou como "má-fé" a forma utilizada para obter as informações e atacou: "O repórter tenta distorcer informações apuradas com o único objetivo de atacar a família Bolsonaro".

Como sempre ocorre nestes confrontos de Bolsonaro com a mídia, o incêndio aumenta com a participação daqueles que não perdem uma oportunidade de atacar a Globo e bajular o governo. Caso do vice-presidente da RedeTV!, Marcelo de Carvalho, que fez o comentário mais pesado.

"Entendam uma coisa: até na Máfia existe uma regra que crianças e mulheres são poupadas". E acrescentou: "Deixem a moça em paz. Mas sequer as regras da Máfia se aplicam ao Grupo Globo!! Vamos atacar mulher, vamos fingir-se de repórter ao invés de pedir uma entrevista pelas vias normais!! Vamos mexer com a família! Francamente, deplorável, vergonhoso."

Em nota publicada em seu site, a revista declarou: "Época reafirma o respeito à ética e a retidão dos procedimentos jornalísticos que sempre pautaram as publicações da revista. A reportagem em questão não recorreu a subterfúgios ou mentiras para relatar de maneira objetiva — a bem do interesse do leitor — um serviço oferecido publicamente, com cobrança de taxas divulgadas nas redes sociais."

Siga o blog no Facebook e no Twitter.