Geral

No Peru | Martine e Kahena serão as portas-bandeiras do Brasil na cerimônia do Pan

No Peru | Martine e Kahena serão as portas-bandeiras do Brasil na cerimônia do Pan

Campeãs olímpicas da classe 49erFX, Martine Grael e Kahena Kunze serão as porta-bandeiras do Time Brasil na Cerimônia de Abertura dos Jogos Pan-Americanos de Lima, no Peru. Elas, que só deveriam vir ao Pan na última semana, quando acontecem as provas de vela, foram anunciadas nesta quinta-feira (25) pelo Comitê Olímpico do Brasil (COB), chegando de surpresa à área internacional da Vila Pan-Americana, já com o uniforme da cerimônia.

"Emoção enorme carregar a bandeira do Brasil, representar todos os atletas. A gente não estava esperando por essa notícia e ficou super feliz de participar", comentou Martine Grael. "É um reconhecimento muito grande de todo nosso esforço no esporte. Representar todos os atletas e principalmente as mulheres é algo que a gente sempre sonhou", completou Kahena.

"É inédito duas pessoas carregando a bandeira, principalmente duas mulheres. Mulher tem tanto poder quanto homem, então a gente quer estar sempre influenciando e trazendo cada vez mais mulheres para o esporte", avaliou Kahena. Elas ainda explicaram que não sabem como carregarão a bandeira juntas. Antes de anunciar a dupla, o COB perguntou à PamAm Sports e ao comitê organizador se haveria problemas em apontar uma dupla e ouviu que não.

Esta é a primeira vez que uma mulher (no caso, duas) é escolhida para ser porta-bandeira do Brasil em Jogos Pan-Americanos. Nas últimas duas edições, o COB homenageou atletas recordistas de medalhas que estavam se despedindo do Pan: Hugo Hoyama (2011) e Thiago Pereira (2015). Em 2007, ainda com a maratona olímpica de Atenas quente na memória, Vanderlei Cordeiro de Lima foi homenageado.

Maurício Lima (2003), Robert Scheidt (1999), Torben Grael (1995) e Robson Caetano (1991) também estão na lista dos que já tiveram a honra desde 1963 - não existe registro conhecido sobre os porta-bandeiras em 1951, 1955 e 1959. Em Jogos Olímpicos, o Brasil já teve duas mulheres como porta-bandeiras: Sandra Pires, do vôlei de praia, em Sydney-2000, e Yane Marques, do pentatlo moderno, na Rio-2016. Esta última foi escolhida por votação popular.

Martine e Kahena foram medalhistas de ouro ou prata nos Mundiais de 2013, 2014, 2015 e 2017. Elas ficaram de fora do pódio na edição passada porque haviam parado de treinar juntas, para Martine participar de uma regata de volta ao mundo. A inscrição delas no Pan surpreendeu, porque a dupla vai pausar um treinamento no Japão, voltado à Olimpíada, para estar em Lima.

A Cerimônia de Abertura do Pan vai acontecer na sexta-feira, a partir das 20h30 (de Brasília), no Estádio Nacional de Lima. São esperados 30 mil espectadores no evento, que terá como estrela principal o cantor porto-riquenho Luis Fonsi, conhecido pelo hit Despacito. Cerca de 1.700 artistas devem participar das apresentações.