Geral

Mari Rodrigues | Frases que trans não aguentam mais escutar

Mari Rodrigues | Frases que trans não aguentam mais escutar

Junho é o mês do orgulho LGBT+. Mas parece que não há muito a comemorar. Nossos direitos estão sempre sendo questionados e os poucos direitos fundamentais estão sempre sob pressão de conservadores de plantão. Mas não vamos nos calar! Este mês preparei algumas pautas especiais, sempre respeitando a realidade que vivo, para tratar de temas caros às pessoas trans. Acredito que a informação ainda é a melhor arma contra o ódio.

Hoje falo sobre um tema recorrente nas falas de pessoas trans, pelo menos as com quem eu converso sempre. Toda pessoa trans já ouviu alguma frase incômoda de uma pessoa cisgênera (para quem não sabe, a pessoa que não é trans, ou seja, que está de boa com o gênero que lhe foi designado no nascimento). Perguntei a várias pessoas trans quais eram as frases que elas não aguentavam mais escutar, e vou tratar de algumas delas aqui.

"Mas você nem parece trans". Frase clássica de tão recorrente e impertinente que é. Parece que estamos ouvindo um elogio, mas não. Falar que uma pessoa "não parece" trans implica a existência de um padrão de "parecimento". O que seria "parecer trans"? Esse padrão é positivo ou negativo? Pessoas trans só podem ser de uma determinada maneira?

"Você já operou"? Outra pergunta muito recorrente que leva a uma reflexão sobre o caráter público de corpos trans. Nossos corpos parecem não ser nossos, o que leva as pessoas a fazerem perguntas de caráter personalíssimo e que ferem a intimidade. Ou seja, puro desrespeito. "Operar" ou não é uma liberalidade da pessoa; algumas pessoas não querem ou não podem fazer a cirurgia de transgenitalização, e nem assim são mais ou menos pessoas que outras.

"Mas qual é o seu nome verdadeiro"? Outra pergunta recorrente e extremamente desrespeitosa. Não se precisa de muito raciocínio para compreender que essa pergunta só mostra que não se respeita o nome da pessoa trans. Isso quando não se sabe o nome de registro da pessoa e se insiste em chamá-la por aquele nome que a incomoda. Um horror!

"Eu sou hetero". Muito ouvida por pessoas trans que têm relacionamentos heterossexuais, ou seja, mulheres trans que se interessam por homens (cis ou trans) ou homens trans que se interessam por mulheres (cis ou trans), e só serve para invalidar o gênero da pessoa trans. A frase subentendida é "Eu gosto de gente do gênero oposto ao meu mas eu não reconheço você como sendo desse gênero".

"Mas as trans são muito agressivas". Hum, é mesmo? Ouça diariamente tudo isso que eu falei acima, dentre outros absurdos, e me diga se não é pra ser assim. Esse estereótipo da "travesti barraqueira" está muito enraizado na nossa sociedade; basta ver qualquer programa policial para constatar isso. Ter direitos fundamentais negados constante e estruturalmente cria um círculo vicioso em que o grito parece ser a única forma de se conseguir as coisas.

Seja por ignorância ou por puro preconceito, são frases que se repetem diariamente nos contatos que temos, e tenho algo a dizer: não aguentamos mais escutar essas frases!