Geral

Josias de Souza | Piti de coronel da Saúde com um garçom é covardia

Josias de Souza | Piti de coronel da Saúde com um garçom é covardia

Livrar-se de dois ministros da Saúde em plena pandemia e transformar a interinidade de um general em suplício permanente são insanidades que a cloroquina não cura. Converte-se o inacreditável em inaceitável quando um coronel no exercício da função de número 2 do Ministério da Saúde destrata um garçom.

"Sai daí. Eu falei não. O que você não entendeu?", rosnou o coronel Élcio Franco, braço direito do general Eduardo 'Interino' Pazuello, para um servidor que tentava executar o seu trabalho. Disponível no vídeo acima, a cena espanta pela grosseria, pela covardia e pela insensatez.

O coronel foi grosso ao servir truculência a quem desejava agraciar-lhe com um cafezinho. Foi covarde ao expôr seus maus bofes para alguém que pagaria com a demissão se reagisse à altura. Insensato é o presidente que concede credenciais de chefe a quem confunde grossura com autoridade e cargo com propriedade.

O comportamento do coronel, que seria inadmissível até na estrebaria de uma instalação militar, foi exibido numa reunião do Conselho Nacional de Saúde, nesta sexta-feira (10). Não há vestígio de um pedido de desculpas.