Geral

Ioga na praia | Autor diz que queria ser engraçado em vídeos de assédio a mulheres

Ioga na praia | Autor diz que queria ser engraçado em vídeos de assédio a mulheres

Investigado por filmar e compartilhar imagens de mulheres fazendo ioga com comentários de cunho sexual, o empresário Ricardo Roriz alegou à polícia que os conteúdos eram produzidos com o objetivo de ser engraçado. Ele prestou ontem seu segundo depoimento no Rio de Janeiro e alegou arrependimento pelos vídeos que foram postados em suas redes sociais e denunciados por duas vítimas.

"Ele afirmou que se sente arrependido e contou que há seis anos começou a fazer vídeos e postar com toque de humorismo, mas que não desejava ofender e expor as pessoas sem autorização", afirmou a delegada Valéria Aragão, responsável pelas investigações.

No depoimento, ele teria de comprometido a retirar os vídeos das redes sociais. "Ele disse que assim que percebeu a repercussão negativa e de como as pessoas se sentiram ofendidas em suas condições de mulheres, ele começou a fazer um trabalho de retirar os vídeos do ar e se comprometeu a pedir desculpas publicamente pelo seu ato", disse Valéria.

Ricardo Roriz é investigado pela publicação de pelo menos dois vídeos. Em gravação feita em 5 de julho, ele filma uma mulher que se exercitava na Lagoa Rodrigo de Freitas, na zona sul. As imagens foram feitas sem que a mulher soubesse. No vídeo, ele comenta: "Ninguém aqui quer ver ioga, queremos ver alcatra abrindo".

Dias antes, o empresário já havia sido denunciado pela advogada Mariana Maduro que também foi filmada fazendo ioga. Na ocasião, o empresário aparece conversando com um vendedor ambulante identificado como Celso de Barros, que faz um gesto sexual de masturbação enquanto observa as mulheres.

A Polícia Civil investiga os dois casos e pode indiciar os homens por perturbação de tranquilidade, injúria e gesto obsceno. O vendedor Celso de Barros, chamado de Celsão, que aparece em um dos vídeos que mostra Mariana, também prestou depoimento e afirmou ter sido "provocado" pelo empresário a realizar o ato.

Universa procurou o advogado do empresário para comentar o depoimento dado à Polícia, mas não obteve retorno. Roriz tem mais de 300 mil seguidores nas redes sociais.

Investigado defende dar "porrada" em mulheres

Após denunciar o caso, a advogada Mariana Maduro, uma das vítimas, tem publicado nas suas redes sociais, outros vídeos desrespeitosos do empresário. Em um deles, o empresário aparece comentando a Lei Maria da Penha.

"Eu descobri porque mulher da gente é um bicho chato para c***. Sabe quem é o culpado da mulher ser chata? É a tal da Maria. Maria da Penha. Se a Maria da Penha não tivesse feito aquela lei, se tivesse uma lei assim: você tá casado e vivendo com a mulher mais de três meses, você tem direito de enfiar a porrada se ela te encher o saco, toda mulher seria maravilhosa, seria calminha" diz Roriz em um vídeo sem data.

Todo o material colhido pela vítima foi entregue à Polícia Civil do Rio que investiga o caso. As postagens feitas na página Loja de Militaria, de Roriz, foram apagadas.

Empresário alega conversa íntima; vítima fala em afronta

Após a repercussão do caso, Roriz publicou uma nota de esclarecimento sobre o caso. A medida foi tomada após a Polícia Civil começar a investigar o conteúdo das publicações. Ele explicou que o episódio foi uma "conversa íntima entre amigos" que se tornou pública.

"Uma conversa íntima entre amigos veio a público através de uma publicação infeliz por mim publicada em minha rede social Instagram que conferiu erroneamente um tom genérico, abstrato, grosseiro que não corresponde à minha conduta durante os seis anos de publicações nas referidas redes sociais. Venho externar minha solidariedade a quem se sentiu ofendido ou depreciado pela referida postagem", disse o empresário.

Mariana considerou uma afronta a postagem de Roriz. "Ele veio externar solidariedade a quem se sentiu ofendida e depreciada. Não é que ele ofendeu e depreciou. Eu que sou culpada por me sentir ofendida e depreciada porque afinal de contas como esse senhor mesmo fez na postagem a culpa é de quem sofre", comentou ela em tom de ironia.