Geral

Flávio Ricco | Programação compromete Record

Flávio Ricco | Programação compromete Record

Não é preciso entender muito de televisão e nem mesmo se aprofundar em maiores estudos para descobrir a razão de "Jezabel", uma das maiores produções da Record nos últimos tempos, não deslanchar na audiência ou não registrar médias acima dos 6 ou 7 pontos.

Pior, "Jezabel" consegue ter resultados bem mais baixos que a reprise de "A Terra Prometida", que a antecede na ordem de exibições.

Um dos motivos, claro, é a insistência de colocar uma bíblica atrás da outra, sabendo que já existe uma certa rejeição por parte do público. "Topíssima", dizem, vem aí para quebrar essa escrita.

Outro, mais despropositado ainda, é o horário em que vai ao ar, em pleno voo do "Jornal Nacional" e ainda pegando o início da novela das 21 horas. Mal ou bem, de muitos e muitos anos, são só as duas maiores audiências da Globo.

A Record tem, sim, que rever os rumos da sua dramaturgia, procurar saber melhor o que o público quer assistir. Mas, mais que isso, rever os erros que insistentemente são cometidos na sua grade de programação. Cuidar disso com mais atenção.

Por que mudou?

Até o ano passado, o SporTV e o Premiere transmitiam todos os jogos do campeonato brasileiro, séries A e B, com equipes completas no estádio.

Agora, por alguma razão não conhecida, as "equipes completas" ficam no estúdio. Perde no charme e na qualidade do serviço.

Marcello Zambrana/AGIF
Sidão, goleiro do Vasco Imagem: Marcello Zambrana/AGIF

Lado bom

Existe, sim, um momento a se destacar no triste, constrangedor, episódio da entrega do prêmio ao Sidão, no jogo Santos e Vasco. A educação e elegância do goleiro.

E a solidariedade da coluna à repórter Júlia Guimarães, a de ser obrigada, por dever do ofício, passar por aquilo.

Muito tarde

O "mea culpa" da Globo, no episódio Sidão, veio tarde demais.

No primeiro tempo a escolha do jogador já estava em 85%. Teve todo o segundo para rever aquela situação esdruxula e evitar a entrega. Mas não. Dá até curiosidade saber o que o Sidão fez com aquilo. Fosse um rádio, como sempre foi, teria até uma utilidade.

Não deve nada

"Sob Pressão", como conjunto da obra - roteiro, direção, elenco, realização... tudo -, não fica nada a dever a nenhuma série de fora.

É um desses trabalhos que a produção brasileira tem todos os motivos para se orgulhar.

Maluf presidente

José Roberto Maluf é quem irá assumir a presidência da Rádio e TV Cultura na assembleia da próxima segunda-feira, dia 20.

É o único nome na disputa e também o único apresentado dentro do prazo de cinco dias úteis antes da eleição, como estipula o regimento da Fundação Padre Anchieta.

Vale considerar

É importante lembrar que José Roberto Maluf tem toda uma história na televisão, com passagens muito importantes na Bandeirantes e SBT, onde ocupou a sua vice-presidência.

De acordo com o apurado, foi um nome de consenso, que agrada as duas alas que estavam em disputa.

Semana importante

Nesta quarta-feira, um evento no Theatro Municipal de São Paulo vai comemorar os 50 anos da TV Cultura.

Na sexta-feira, 17, será realizada a assembleia para a escolha do seu novo presidente.

Disputa por contratações

O início de transmissão da CNN Brasil está cada vez mais próximo e isso só faz intensificar a procura por bons profissionais no mercado para reportagem e apresentação de programas.

Este é um ponto...

... O outro

É que TVs como Band e GloboNews não pretendem facilitar para o novo canal de noticiais. Esforços serão feitos para evitar debandadas.

Detalhe: a CNN já ouviu alguns "não" em ataques à Band.

Raquel Cunha/TV Globo
Mariana Santos, a Carla, de "Malhação" Imagem: Raquel Cunha/TV Globo

Diálogo

A pressão dos pais sobre os filhos por causa de boas notas escolares também está em "Malhação: Toda Forma de Amar".

Mariana Santos, a Carla, uma comerciante de temperamento forte, vai baixar um pouco a guarda na cobrança com a filha, Raíssa (Dora de Assis), que foi mal no simulado. Pedirá desculpas por sempre pressioná-la.

Pergunta de um leitor

"Por que a qualidade da música no Brasil está num nível tão baixo? Só tem letras falando de sexo, bebida, droga, adultério e outras baixarias. Parece que só funk, sertanejo, sofrência e tecnobrega têm espaço na mídia. Cadê as letras com conteúdo dos anos 1970 e anos 1980? Tive a sorte de ouvir Legião, Paralamas, Barão Vermelho, Engenheiros, Titãs, Raul Seixas, Chico, Caetano... Por que a TV não investe mais no rock brasileiro?".

Alguém responde?

Não muda

A diretora Cininha de Paula pretendia dar um novo personagem a Gui Santana na "Escolinha do Professor Raimundo", mas, em função de ajustes, vai deixar para uma próxima vez.

Ele continuará como Nerso da Capitinga.

Bate - Rebate

* A quem interessar possa: nunca passou pela cabeça de ninguém da Globo, muito menos do autor Benedito Ruy Barbosa pensar numa "Pantanal 2"...
* ... A propósito do Benedito, "Terra Nostra" é uma das maiores audiências diárias do Viva.
* "Topíssima", da Record, vai estrear na semana que vem, terça-feira...
* ... Mas ainda tem atores sendo escalados para o seu elenco.
* O cineasta José Eduardo Belmonte concluiu as filmagens de "Alemão - 2", com Vladimir Brichta, Leandra Leal, Gabriel Leone e Zezé Motta no seu elenco...
* ... Em breve nos cinemas e logo depois na Globo.
* Um detalhe sobre a final da "Taça das Favelas", que terá narração de Cleber Machado...
* ... Na TV Globo, realmente, será a primeira vez, mas o SporTV já mostrou no passado.
* O novo "Jornal da Cultura", de fato e direito, estreou ontem...
* ... E, realmente, além dos cenários, está com um tratamento bem diferente.

*Colaborou José Carlos Nery